EI! Não vá ainda

Fique por dentro de todo nosso conteúdo.

Aproveite também e assine nossa newsletter
para não perder mais nada.

Quase no final... Precisamos confirmar o seu endereço de e-mail.
Para concluir o processo de assinatura, clique no link existente no e-mail que
acabamos de enviar para você.

Como as notícias funcionam (2)


  • Como as notícias funcionam (2)

    Além de perguntar quem está por trás da notícia, é preciso entender uma lei universal sobre as mídias de notícias: elas são, acima de tudo, um negócio como outro qualquer.

    As empresas por trás das notícias — agências, emissoras de rádio e TV, jornais, sites de notícias etc. — têm que pagar os salários de seus funcionários, as despesas de seus edifícios, equipamentos, tecnologia, demais gastos típicos de qualquer empresa, e, claro, trazer algum lucro para seus donos e acionistas (lucro aqui nem sempre é dinheiro; também pode ser capital político, poder de influência e de destruição, por exemplo).

    De onde vem esse dinheiro? Basicamente de anunciantes, patrocinadores e parceiros. São as grandes marcas, o governo e outras instituições que beneficiam de negócios extremamente lucrativos com esses veículos. O que eles querem da mídia? Duas coisas principais:

    1. Divulgação de suas marcas, produtos e ideias para o maior número de pessoas
    2. Nenhuma notícia ou informação que os contrarie

    Logo, as empresas de mídia precisam maximizar sua audiência para então vendê-la aos seus anunciantes. Mais telespectadores, ouvintes ou leitores, significam mais anunciantes e mais dinheiro. Sim, o público, incluindo você e eu, é apenas um “mercado” para eles, com um preço anexo — classe A, B, C, D etc.

    O que eles querem de nós? Nossa atenção — olhos e ouvidos — para vendê-la aos anunciantes.

    Aí é que está a grande tragédia para o público: as “notícias” não são o que serve para nós ou o que precisamos saber, mas o que mais chama a nossa atenção, ou seja, o que dá mais audiência. E o que chama mais a atenção do ser humano? Basicamente:

    • Escândalos (e rumores de escândalo)
    • Crimes
    • Desastres e tragédias
    • Celebridades

    Cerca de 90% das notícias consiste de uma ou mais dessas quatro categorias. Pode verificar, qualquer dia, qualquer hora, praticamente qualquer veículo de informação noticiosa. O que isso quer dizer?

    A vasta maioria das “notícias” não é notícia. É apenas uma maneira de chamar e prender a sua atenção.

    Agora eu lhe pergunto: é desse tipo de conteúdo que você realmente precisa?

     

    [Leia a primeira parte do assunto aqui.]

     

    No próximo post, vou explicar sobre os outros 10% das “notícias”.

     

    Veja também:

    Cadastre-se nesse blog e seja avisado de novos posts…

     Curta nossa página no Facebook. 0% de besteira garantido — ou o seu click de volta.

Acesse também

Free WordPress Themes, Free Android Games