Blog

Comer é bom demais! Sou uma boa admiradora da gastronomia, em outras palavras, “boa de garfo”, rs. Tenho paladar ótimo, pois é difícil achar alguma iguaria que eu não goste. Claro que umas eu aprecio mais, outras menos. Nunca fiz dieta na minha vida, e a última que tentei fazer foi um desastre! Mas procuro me equilibrar dentro de uma alimentação saudável, sem neuras.

Sei que esse assunto é um dos preferidos nos círculos femininos, porque é difícil encontrar uma mulher que não precise “perder dois quilos”, rs. Em algumas, essa necessidade está apenas na própria cabeça, mas outras realmente precisam porque estão com sobrepeso, problemas de saúde ou insatifestas consigo mesmas.

Lembro-me de ter conversado com uma jovem que estava com obesidade mórbida, pressão alta e pré-diabetes. Todas as tentativas feitas pela família e pelos médicos para concientizá-la a respeito do problema foram frustradas, até que ela aprendeu a lidar com suas emoções.

Como sabemos, as emoções ditam muitas decisões na vida, inclusive, interferem na nossa alimentação.

Creio que você já deve ter passado por uma situação de ansiedade em que comeu uma barra inteira de chocolate, não é mesmo?

Isso acontece geralmente por causa do estresse. Mas, enquanto há pessoas que nesses momentos comem toda hora, sem respeitar os intervalos entre as refeições, as quantidades e sem ao menos sentir o sabor dos alimentos, há quem perca completamente a fome.

Veja então que, nem sempre quando sentimos vontade de comer, realmente estamos com fome. A necessidade pode estar na alma, e, por desconhecer isso, a pessoa camufla seus anseios com a comida.

Afinal, comer alivia tensões e dá prazer, mesmo que temporariamente.

Quando a fome é emocional, como carência, vazio na alma, desejo de chamar atenção ou ansiedade, nenhum alimento é capaz de saciá-la. Além de a dor continuar, ainda virão outras consequências, como a culpa, a vergonha e os quilos a mais.

A natureza humana dominada pelas emoções pode produzir obras que conduzem o homem ao completo sofrimento. A pessoa totalmente entregue às suas vontades reflete isso no seu comportamento. Assim, além de ferir a si, fere os que estão ao seu redor.

Então, antes de comer um bolo inteiro sozinha, reveja se você não está fragilizada emocionalmente por causa da TPM, triste, estressada ou sob efeito de qualquer outra emoção que coloca você à mercê de desejos que não farão bem algum.

Deixe o alimento cumprir apenas o que foi divinamente determinado a ele, que é nutrir o nosso corpo e nos unir em torno da mesa com aqueles que apreciamos.

Para os “vazios” da alma e para as difíceis situações do dia a dia, busque ajuda na fé, pois no Altíssimo encontramos força para vencer qualquer problema interno ou externo.

Até a próxima semana!!

Colaborou: Núbia Siqueira

Participe! Deixe seu comentário sobre este post