Blog

“Escolhida para o Altar” (Editora Unipro), da Tânia Rubim, tem como subtítulo “Um manual para a futura esposa de pastor”, e você pode achar que é exclusivo para quem quer se casar com um pastor. No entanto, na minha opinião, é um livro que ajuda espiritualmente a qualquer pessoa que queira um compromisso sério com Deus.  Em relação a livros, incentivo todos a não se prenderem por rótulos, principalmente quando se trata de leitura espiritual de qualidade. Você pode  estar desprezando informações importantíssimas (e aqui me recordo de uma amiga sem noção que me disse que não tinha lido “Casamento Blindado” porque era solteira! Céus, os solteiros são os maiores beneficiados ao ler “Casamento Blindado”, pois é um livro muito pessoal! Aprenda desde já e comece direito!).

Sim, ela explica com detalhes a vida de uma esposa de pastor, de uma forma bem racional, para que você, que tem vontade, analise se realmente tem o chamado ou se essa sua vontade é fruto apenas de uma emoção ou de uma idealização. Mas o livro não é apenas isso. Por essa razão abordarei também os pontos que tenham a ver com  aquelas que não se encaixam no público-alvo que é atraído pelo subtítulo. Porque quem quer se casar com um pastor vai comprar e ler um livro que tenha o subtítulo “Um manual para a futura esposa de pastor”, sem precisar de resenha, né?

Quando você entrega a sua vida a Deus e passa a viver para Ele, não importa a sua profissão ou seu título na igreja (ou a falta dele), seu prazer é agradá-lo. Sim, a vida de uma esposa de pastor pode ser diferente da vida de uma obreira ou de um membro na parte prática, mas na parte espiritual, tem semelhanças.

E aqui tenho que explicar aos nossos leitores de outras denominações (ou de denominação nenhuma), que quando falamos de “esposa de pastor”, nos referimos a esposa de pastor da IURD. O pastor da IURD é pastor missionário, transferido de tempos em tempos, levando apenas poucas malas, deixando móveis e utensílios para trás, e pode ter de dividir a casa com um ou mais casais. Isso a mídia não divulga, né?…rs…nem o fato de as casas não serem deles, nem os carros que eles usam serem deles, nem o fato de dedicarem 100% de seu tempo ao trabalho na igreja (aberta diariamente, da manhã até à noite)…detalhes, detalhes…

Bem, sobre as meninas que querem ser esposas de pastor, Tânia diz:

 

 “A jovem que tem um laço muito forte com os pais e não consegue desenvolver uma independência, nunca terá coragem de deixar sua família para servir a Deus.”

 

Parece óbvio, não? Mas não é. As meninas nem sempre pensam no que significa ter de deixar seus familiares, muitas vezes ficar anos sem ver o pai, a mãe, os irmãos, os amigos, os tios, as tias, os primos…nem sempre vai dar para telefonar, muitas vezes você vai se sentir sozinha, sem conhecer ninguém no lugar em que está…

Não é fácil, na prática, largar tudo o que você conhece, deixar grande parte de suas coisas para trás e sair sem saber como será a sua nova casa, o que lhe espera na nova cidade. Não tem essa de ligar para a mamãe ou para o papai chorando quando se sentir perdida. Nem reclamar para o marido. É você e Deus, você só conta com Ele para te fortalecer (E, apesar de não ser esposa de pastor, aqui eu falo com conhecimento de causa). É uma oportunidade e tanto para o crescimento, mas quantas pessoas realmente estão dispostas a isso? Quantas realmente aguentam?

E depois que começamos a buscar a Deus, perdemos o direito de vegetar. Sua vida de samambaia chegou ao fim. Não podemos mais nos acomodar, nem parar no tempo. A Obra de Deus é dinâmica, a vida também.

 

  “(…) A esposa do pastor é chamada a uma responsabilidade, não deve ignorar isso nem sentir uma sensação de bem estar, pensando: “Já consegui o que sempre sonhei, ser esposa de pastor, agora é só cuidar do meu marido, da minha casa e das responsabilidades na igreja”, e ficar por isso mesmo, sem querer crescer em Deus, na sua fé, sem ter a visão que pode fazer mais e ser usada por Deus de uma maneira surpreendente.”

 

Então pode esquecer a ideia de se acomodar, amiguinha, você não vai conseguir. E se conseguir, não vai sobreviver. Não pense que ao tornar-se esposa de pastor, você ficará deitada eternamente em berço esplêndido. Terá de “botar a mão na massa”, e para isso talvez tenha que desenvolver habilidades que não tinha antes. (E não pense que por não querer ser esposa de pastor você está livre disso…o Espírito Santo é dinâmico). Tânia lista alguns conselhos para desenvolver habilidades, entre eles:

 

–         Não tenha medo de aprender, ainda que pareça difícil, se você se dedicar, com certeza vai conseguir.

–         Nunca pense que não vale a pena, para quê aprender a cozinhar ,se posso comprar pronto, para quê dirigir, se posso andar de ônibus, para quê aprender computação, se posso pedir para alguém fazer? Será que você não tem capacidade para fazer nada?

–         Não coloque barreiras, não diga eu não tenho jeito para isso, não tenho tempo, não faço nada direito. Seja positiva.

 

Existem algumas premissas básicas a qualquer cristão. Uma delas é: “tudo o que você fizer, faça para Deus”. E isso cabe tanto o que você faz dentro da igreja quanto o que você faz em casa, no seu trabalho ou na escola. Aqui Paulo fala de servos e senhores, mas você pode considerar empregados e patrões, professores e alunos…

 

 “Não servindo à vista, como para agradar a homens, mas como servos de Cristo, fazendo, de coração, a vontade de Deus; servindo de boa vontade, como ao Senhor, e não como a homens, certos de que cada um, se fizer alguma coisa boa, receberá isso outra vez do Senhor, quer seja servo, quer livre.” Efésios 6:6-8

 

É exatamente o que a Tânia diz:

 

 “Quando se trata de servir, não pense duas vezes, não se canse, ainda que as pessoas não reconheçam seu esforço, ainda que não receba um simples “Obrigada”, ainda que só você dê continuamente e ninguém te valorize. Continue servindo, pois Deus te recompensará. Afinal, você faz para Ele, não é mesmo?”

 

Comece a fazer as coisas para Deus e vai acabar a frescura de falar mal do chefe, reclamar do colega…mesmo que as pessoas até lhe persigam, você não será mais atingido ou abalado com picuinhas. E manterá o foco. Aí verá seu trabalho render e se desenvolver.

O livro é cheio de listinhas super didáticas, mas uma eu não poderia deixar de citar aqui. Valia um livro, sabia? Eu realmente tive vontade de escrever sobre essas características, porque quando falamos aqui sobre nascer de novo não ter a ver com mera mudança de hábitos (do tipo “eu fumava, não fumo mais”, “eu adulterava, não adultero mais”), mas com uma transformação profunda no caráter, senti falta de uma descrição mais detalhada.

 

A lista de características da mulher desagradável é enorme, mas preste atenção, às vezes estas coisas passam desapercebidas:

– Fica irritada e nervosa com muita facilidade.

– Não consegue dominar seu temperamento, explode por qualquer coisa.

– Julga as pessoas, mesmo antes de conhece-las.

– Fala demasiado, sem pensar e não mede as consequências.

– Fala mal das pessoas pelas costas, gosta de criticar tudo e todos, e influencia negativamente os demais.

– Considera-se superior aos demais e faz com que se sintam diminuídos.

– Gosta de ser o centro das atenções, nunca aceita estar por baixo, crê que o mundo gira em função própria.

-É indiscreta, quer saber tudo e gosta de escutar as conversas alheias, para depois contar o que escutou.

– É grosseira em sua maneira de falar, em seus gestos e até mesmo atendendo ao telefone.

– Faz as coisas com segundas intenções, seja para ficar bem com as pessoas ou receber algum benefício. Não é sincera.

– É muito autoritária, sempre quer ter domínio da situação, ter a última palavra.

– É egoísta, tudo deve ser do seu jeito, sem importar a opinião dos demais.

– É mal humorada, sempre está de cara fechada.

– É invejosa. Tem inveja de tudo, seja o cabelo, a roupa, o casamento, a maneira de ser e o trabalho alheios.

– É curiosa. Procura estar informada de tudo o que acontece na vida dos demais.

– É implicante, nunca está satisfeita com nada, sempre busca motivo para recriminar as pessoas.

Como uma pessoa assim vai exalar o perfume de Jesus? É impossível. Ela precisa, sim, se converter e nascer de novo.

 

Existem mulheres (e homens também) com essas características em todas as igrejas, se achando “novas criaturas” só por não fazerem o que as “mundanas” fazem. E na verdade, as “mundanas” muitas vezes estão bem mais perto da salvação do que essas religiosas.

 

 “Hoje podem estar no seu país,  amanhã do outro lado do mapa, tendo de aprender outro idioma, se adaptar à uma nova cultura, comida e modo de vida. E não pense que irá para um país igual ou melhor do que o seu. Talvez seja um lugar mais pobre, subdesenvolvido, que não terá as coisas que você está acostumada”.

 

Isso é super importante! Porque geralmente, quando se fala em “ser enviada para outro país” já se pensa em Estados Unidos, Inglaterra…e parece tudo lindo…outro idioma, outra cultura… E também tem as que gostam da ideia de ir para a África, para países muito pobres e necessitados, naquela vocação para missões aos moldes tradicionais.

No entanto, conheço várias meninas que foram obreiras junto comigo lá em Campo Grande – MS nos longínquos anos 2000 e 2001 e que  hoje são esposas de pastor em…Mato Grosso do Sul. Rodaram todas as cidadezinhas do interior do MS, algumas foram para alguma cidadezinha do interior de algum outro estado e hoje estão no interior de MS ou de MT. Nada de grandes aventuras na Europa, nem de expedições humanitárias na África – ao menos não ainda. Mas elas querem ganhar almas. E sabem que as almas do interior do Mato Grosso do Sul têm o mesmo valor das almas de Londres e das almas da Namíbia.

Por fim,  eis outro assunto que fiquei com muita vontade de transformar em um livro…hahaha…Tânia já me fez escrever dois livros mentalmente…não é todo livro que me aperta os botõezinhos de escritora enquanto estou no modo “leitora”, parabéns!…rs…:

 

 No mundo violento e pervertido em que vivemos é grande a responsabilidade de criar um filho para Deus, mantê-lo afastado do mundo é quase uma proeza, pois, como ele nasce na igreja, sente curiosidade pelo mundo. Muitos filhos de pastores não querem aceitar o Senhor Jesus. Então imagine, você ensina tudo para seu filho, educa com muito amor, mostra para ele os princípios da fé; é uma mãe dedicada e atenciosa; dá um bom testemunho para ele, mas quando ele cresce, não quer seguir o seu Deus. “

 

Pois é…não importa a dedicação que você tenha, você está criando uma pessoa diferente de você, que terá ideias próprias, fará suas escolhas depois de adulto…e se você quiser prendê-lo, é pior ainda, quando chegar a adolescência, ele vai se rebelar nem que seja em busca da afirmação da própria identidade. E se isso já era verdade e complicado na época em que nossos adolescentes nasceram, hoje em dia está muito pior…eu não desejo este mundo para ninguém, por que traria outra alma para cá? Não, obrigada. E fico feliz sempre que vejo uma voz sensata a esse respeito.

“Escolhida para o altar” me fez meditar tanto, que suas 197 páginas se transformaram em 900, dentro da minha cabeça. Quando o livro terminou, eu me senti a criatura mais burra do universo por ter demorado tanto para me interessar por ele (afinal de contas, eu já me casei, e não foi com um pastor).  Ao ler, você, que deseja de se casar com um pastor, poderá avaliar se tem o chamado. E se você não tem interesse nisso, mas quer servir a Deus com toda a sua vida, estou certa de que encontrará nesse livro um excelente alimento espiritual.

Vanessa Lampert

 

Para ler as resenhas arquivadas, Clique aqui. E para ler as recentes, clique aqui.

 

PS: Essa resenha deu dois filhotinhos, que não couberam aqui e se transformaram em pequenos posts. Um é o “Santa Fake” (clique aqui para ler). E o outro é o “Ovelhas e ovelhas” (clique para ler). E sobre o assunto mais polêmico (sempre é), já escrevi um texto chamado “A decisão de não ter filhos”, em que explico bem direitinho (clique para ler).

PS2: Falando em links, blogs e Escolhida para o Altar, vocês já conhecem o blog da Tânia?? Quem gostou do livro e da resenha e ainda não conhece o blog, aí vai o endereço, vale a pena acompanhar: http://taniarubim.com/

Colaborou: Vanessa Lampert

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

  • Marla

    Olá d.Vanessa!!
    Fiquei com muita vontade de adquirir esse livro e assim farei..

    Que Deus lhe inspire a cada dia mais para nos dar um choque de realidade a cada post publicado.

    Abs,

  • Luccy

    Realmente aquelas que pensam em vir para paises ricos, podem se decepcionar, pois aqui é guerra tanto quanto nos paises pobres. Nos países pobres as pessoas são abertas ao evangelho e nos ricos, não. Acontece o contrário , temos uma condição melhorzinha, mas falta as almas, na África elas tem pouco, mas tem muitas almas. Por isso devemos sempre dizer: Senhor, envia-me a mim. E seja feita a tua vontade. Por que quem esta no primeiro não pediu pra ir pra lá e nos países pobres também não pediu. Quem rege esta obra é o Espirito Santo.

  • Marta

    As postagens da Vanessa são muito interessantes, eu tinha vontade de ler o livro e agora essa vontade só aumentou, tenho certeza que acrescentará e muito em minha vida.

  • Samuel Aguiar

    *mulheres

  • Samuel Aguiar

    sou homem e sempre acompanho as postagem neste blog. Apesar de parecer um blog voltado para as milheres eu tenho aprendido bastante ao ler o que é postado. Sou líder do FJ do bairro de Canaranas (Manaus – AM). gostaria de saber quanto é e como faço para adquirir o livro por que quero presentear as jovens firmes daqui.
    Obrigado!!!

  • Joah

    Ola Vanessa
    Este livro realmente é muito bom, para todos os públicos!!!
    Poxa, eu não sabia que você é de MS, que legal eu também,
    era obreira na sede estadual de Campo Grande, me casei com um pastor também de MS, em 98, quando o Bp. Randal Filho estava lá.
    Ah, e sim alguém de lá saiu do Brasil, não para a Europa ou Africa,
    mas América Central. Estamos em uma ilha chamada Curaçao. rs
    Sempre gostei de suas resenhas e também do seu blog, apesar de não ter gatos, rs.
    Que Deus continue te abençoando.
    Na Fé
    Joah Venancio

    Obs: No seu blog vc não diz de onde é!! rsrs

  • Vanessa querida! Gostei muito do post e me despertou mais vontade ainda de ler esse livro (pois ele já está na minha lista de livros que devem ser lidos há tempos. E eu já pensava exatamente assim, gosto muito da Dna Tania e do modo dela escrever e falar, então mesmo não tendo certeza sobre para onde vou já queria ler o livro, depois dessa resenha ele subiu para o topo.

  • Elaine

    Eu vou ser sincera! Toda vez que eu vejo um post grande demais, tenho preguiça de ler, e imediatamente, não leio. Mas esse me chamou a atenção e resolvi ler. Não me arrependo, foi precioso demais para mim. Caiu como um cordão de diamante em meu pescoço.

    • Ahá, Elaine! Estou te levando para o bom caminho! 😀 Amei sua sinceridade e sua perseverança! Você aceitou o desafio e foi recompensada. 🙂 Aplique isso a tudo e você só tem a ganhar!

      Beijos!

  • Soleil Lukau

    Dona Cristiane, como posso adquirir este livro. Porque eu vivo em Luanda / Angola.

  • Ana Carolina - Goiás

    EU JÁ LI ESSE LIVRO E REALMENTE É MUITOOOOOOO BOM MESMO…E VOU ATÉ LER DE NOVO, POIS É DO TIPO DE LIVRO QUE A GENTE LÊ E NÃO ENJOA NUNCA RSRS…

  • Gabriela (Sorocaba)

    Oiiiii dna Vanessa, bom dia !

    Minina, sempre tive vontade de ler, mais ficava pensando, o que as pessoas vão achar se me verem comprando esse livro ?! Sempre achei que era pra obreiras interessadas em ser esposa, mais eu tenho tanta curiosidade de ler, era o que eu precisava para comprar! Tá na lista !!!!!!
    beijos
    Gabi

  • ESTER BEZERRA

    Parabéns Vanessa! Você conseguiu entrar no nosso mundo de esposa de pastor e ver como é bom ouvir ao chamado de Deus.
    Digo para você e as demais que lerem esse blog:, o que Jesus disse para Pedro: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas Meu Pai, que está nos céus.

  • Monique S. Gomes

    Meu Deus! que resenha maravilhosa, confesso que sou a Leitora que se atrai pela capa do livro, e se não me agradar, não olho o conteúdo. Bom sempre baseie minha vida no átrio, entre estudos, trabalho e dedicação de suar a camisa, tudo para honrar a Deus, carrego dentro de mim o ideal de que não devo decepcionar o meu Senhor, tenho que honrá-lo, tenho que ser testemunha dele aqui na terra. Mas ao ler seu post me despertou um enorme desejo de saber: Sou Escolhida para o Altar?.
    Bom irei descobrir.

    No mais fico muito contente.

    Att.

    Monique S. Gomes

  • tauany

    ola d. Cris eu ja li este livro ele è muitissimo bom, realmente ensina como n/ós que queremos servir no altar a proceder da forma certa, para nao sermos uma pedra de tropeço na obra de Deus.

  • claudiane (suiça)

    Bom dia Vanessa, gosto muito mas muito mesmo da sua maneira inteligente e descontraida de ”criticar os livros e escritores”. ainda li outros postes seus e foram maravilhosos para minha vida, estou na suiça e gostaria de compartilhar um experiencia com você…. tenho dois lindos babys, um de 3 anos e uma menina de 5 meses, e um dia eu fui assistir a reunião do bispo la em Geneve a 60km da minha cidade, e imagine quem estava a cuidar das crianças??? a esposa do bispo… aqui na suiça tem poucas igrejas, poucos pastores, pouquissimos obreiros e os que tem trabalham muito, então as esposas dos pastores e até mesmo a do bispo se revesam para cuidar das crianças na escolinha, eu acho lindo a disposiçã o carinho e o amor que elas tem, elas são as ”faz tudo”. por isso que ninguem pense em ser esposa de pastor e ter uma vida confortavel e cheia de obreiras para as servirem…. como membro da igreja sei o quanto elas trabalham aqui na suiça. Bjns e abraços a todas as mulheres de Deus que estao dispostas a servir, servir, e servir.

1 2 4