Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade.

Blog

Evangelho entre os índios Massais

Cada igreja que se abre ali é mais uma porta de entrada para o Reino de Deus. Assim tem sido com a tribo dos Massais.

Há quem acredite que caridade é uma forma de se tornar uma pessoa melhor e aprovada por Deus. Contudo, as obras sociais da Igreja Universal ultrapassam os requisitos da caridade, da irmandade e do senso de dividir com os que não têm.

Quando levamos água, roupas e comida, também levamos a mensagem de fé, mas a fé que realmente transforma!

Basta olharmos para a primeira igreja dos Massais no Quênia, em Kajiado – Mile 46, aberta a 4 anos atrás. Sabíamos da grande necessidade física daquele povo e, devido à escassez de água, eles não tinham comida, o gado morria e os maus-tratos da vida eram estampados dia a dia.

Hoje, o lugar tem água em abundância para os animais e para a população. Não há mais necessidade de passarem sede, pois o nosso poço artesiano, perfurado com mais de 300 metros de profundidade, fornece água à vontade para toda a comunidade e sem nenhum custo!

Mas não foi somente a sede física que foi saciada, mas a sede da alma também!

Viabilizar um poço artesiano foi uma decisão eminente, mas sabíamos que a real solução viria somente quando provassem da Água da Vida.

Mas aquele que beber da água que Eu lhe der nunca terá sede, porque a água que Eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna. João 4.14

E nesse trabalho intenso de levá-los a conhecer o Senhor Jesus, vimos e presenciamos a grande transformação ocorrida na comunidade Maasai de Mile 46 – Kajiado.

Hoje contamos com grupos de obreiros, evangelistas, grupo jovem e membros batizados nas águas e batizados também com o Espírito Santo!

Com as últimas chuvas, o povo prosperou ainda mais, e a aridez saiu não só daquelas terras, mas especialmente da vida daqueles que se entregaram ao Senhor Jesus.

Há exatos 18 meses, chegamos à segunda comunidade Maasai – Narok, uma comunidade ainda mais sofrida do que a anterior, por estar localizada em um lugar mais distante e isolado, sem nenhuma cidade, hospital, lojas ou qualquer outra conveniência básica.

De Nairobi para Mosiro Narok são 140km de distância e, exatamente, 3 horas de viagem.

A população é de 16 mil pessoas, das quais 13 mil são genuinamente Massais.

Nós estávamos tendo orações nessa comunidade uma vez por mês, mas agora temos um pastor indo lá todas as sextas-feiras.

Antes, as pessoas caminhavam 10km para pegar água de um rio. Mas, no ano passado, a Safaricom (a maior companhia de Telecomunicações do Quênia) perfurou em Mosiro um poço artesiano. Porém, além da água retirada do poço ser salgada, ainda era vendida para a comunidade local.

Em Narok, toda a população é atingida pelas secas constantes que dizimam o pouco gado que possue, e aos ataques de milícias que levam suas crianças como escravas, além da maior miséria que o ser humano possa ter, que é a falta de conhecimento do Deus verdadeiro.

Logo vimos a necessidade daquele lugar e a oportunidade de uma obra espiritual ser realizada ali. Compramos um pedaço de terra e, mais uma vez, fomos abençoados com um lençol de água em sua profundidade. Perfuramos, então, um poço artesiano com mais de 300 metros de profundidade, dentro do terreno da nossa igreja, obtendo assim água da mais excelente qualidade, limpa e fresca, sem nenhum custo à comunidade local que é abastecida diariamente.

Ali também estamos finalizando nossa igreja que será inaugurada em breve, aproximadamente na primeira semana de junho, porém, reuniões quinzenais já estão sendo realizadas, pois sabemos que a mudança verdadeira virá da experiência de cada um com o Senhor Jesus.

E testemunhos já estão sendo ouvidos e, em breve, aquele lugar estará florescendo como Mile 46.

Ali Deus fará coisas novas e, literalmente, haverá fontes jorrando no deserto.

Eis que faço uma coisa nova, agora sairá à luz; porventura não a percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo. Isaias 43.19

O que mais nos alegra é saber que vidas estão sendo alicerçadas na rocha, pois a sede física tem que ser saciada todos os dias, mas a sede da alma não estará mais naqueles que decidirem buscar ao Deus Vivo.

Estar nesse lugar, e olhar à esquerda ou à direita, nos remete para o dia em que Abraão disse a Ló: “escolhe para onde você quer ir.” Gênesis 13.8,9

Assim como Abraão, escolher ir para onde os “Lós” de nossos dias não querem ir e, ainda assim olham com desprezo, aliás, nem olham, eles fingem que não estão vendo, é uma tarefa para poucos.

Mas é nessa direção que Deus tem nos levado, para o deserto, secas, miséria, porque ali é que Deus nos faz prosperar. É onde encontramos água potável e pessoas de almas secas, mas que, ao receberem a Água da Vida, o Espírito Santo, suas vidas se tornam como um poço artesiano, fontes de águas vivas.

Curiosidade: veja o pequeno vídeo de uma chuva no deserto seco e castigado pela fome ao construirmos a nossa igreja. Simplesmente grandioso!

Bispo Marcelo Pires
Colaborou: Bispo Marcelo Pires

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

Você sabia que também pode receber as mensagens do meu blog por e-mail? Preencha abaixo: