Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade.

Blog

O que Abraão mais queria?

É bem provável que a resposta tenha vindo automática à sua mente: “Um filho, é claro!”. Mas, na verdade, o querer de Abraão ia muito além disso, conforme suas atitudes podem comprovar. O desejo que ardia dentro do seu peito não era simplesmente receber a bênção, o filho, e sim dar, ser a própria bênção, gerar uma nação para a glória de Deus.

O que Abraão mais queria não era um filho. Se tudo o que ele quisesse fosse um filho, não o sacrificaria no Altar – afinal, ele já o tinha! O que Abraão mais queria era agradar a Deus.

Realmente, houve certo momento em que tudo o que ele queria era um filho. A visão de Abraão estava focada nisso.

Senhor Deus, que me haverás de dar, pois ando sem filhos? Gênesis 15.2

Imediatamente, Deus o levou para fora e lhe mostrou as estrelas do céu. Então, a visão de Abraão se abriu.

A partir daquele momento, ele compreendeu que o que estava em questão não eram seus próprios planos, mas os Planos de Deus. De repente, seu pedido que, até então, parecia tão grande, tornou-se insignificante diante do que Deus queria – afinal, o que é um filho comparado a uma nação? O herói da fé percebeu que um filho poderia atender à sua necessidade, mas não era suficiente para atender à necessidade do Plano de Deus. Logo, tudo o que ele passou a desejar mais foi agradar a Deus, atendendo às necessidades do Seu projeto por meio da nação que nasceria dele.

Quando percebemos que o que temos e queremos é pouco em relação ao que Deus tem e quer, não temos medo de sacrificar, de dar o que quer que seja. Mesmo sentindo a dor latejando em seu peito, Abraão entregou o filho no Altar, porque sua visão não estava mais em Isaque, mas nas estrelas do céu e na areia do mar. Seu sonho era o sonho de Deus, e Abraão sabia que Deus jamais o pediria para fazer algo que atrapalhasse Seu próprio sonho.

Quem sabe você esteja focado apenas em um filho – a solução de um problema, quer seja familiar, sentimental, financeiro ou na saúde – e não tem enxergado a grandeza daquilo que Deus planeja fazer através da sua vida. Talvez esse filho seja suficiente para você, mas não é para Deus. E o que você mais quer? Agradar a si mesmo ou a Deus? Agarrar-se àquilo que você já tem e deseja ou agarrar-se àquilo que Deus tem e deseja para você e para a humanidade?

Abraão não foi egoísta. Muito pelo contrário: não teve medo de abrir mão do seu sonho pelo sonho de Deus. E, no final das contas, sabe o que ele percebeu? Que ele não precisaria ficar sem o seu filho, ele só precisava não ter o seu coração nele. E, porque o coração de Abraão não estava em seu filho – mas em Deus –, o Altíssimo pôde conceder o seu desejo, e acrescentar realizações ainda maiores em sua vida.

Bispo Edir Macedo
Bispo Edir Macedo

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

Você sabia que também pode receber as mensagens do meu blog por e-mail? Preencha abaixo: