Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade.

Blog

A Eira da Decisão

É compreensível sofrer as consequências dos erros passados. Mas, e depois do livramento cristão? Por que tantas aflições mesmo sendo de Deus?

Estes e outros questionamentos têm deixado muitos nascidos do Espírito perplexos.

Mas na história do povo de Israel encontramos respostas confortadoras.

Israel é uma região montanhosa. Em cada cidade antiga, era costume usar montes para construir no seu topo a eira. Você se lembra da eira de Araúna? (2 Samuel 24.16)

Pelo menos para duas coisas serviam as eiras: uma delas era para peneirar grãos. O trigo, por exemplo, era esmigalhado juntamente com sua casca. Em seguida, lançado para o alto. E o vento que soprava na colina jogava para fora a palha, enquanto o trigo caía dentro da eira.

A eira também servia como tribunal de justiça. Os anciãos da cidade, como juízes, se reuniam lá para julgar as causas do povo em geral. Devido à sua forma arredondada, todos sentavam defronte uns dos outros. As partes eram ouvidas e os anciãos decidiam.

Ora, verifica-se claramente que, no fundo, a eira era lugar de julgamento e separação.

Quem é trigo fica, quem não é cai fora!

As lutas são enormes, mas o galardão, segundo está escrito, nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que O amam. (1 Coríntios 2.9)

Por conta disso, o Reino de Deus é tomado por esforço e só corajosos, valentes e fortes se apoderam dele. (Mateus 11.12)

Bispo Edir Macedo
Bispo Edir Macedo

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

Você sabia que também pode receber as mensagens do meu blog por e-mail? Preencha abaixo: