Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade.

Blog

Eis que chega um dia de “jogo do Brasil”. A seleção brasileira avança pelo gramado, e parecem ser os únicos brasileiros a se movimentar naqueles 90 minutos.

A maioria das emissoras de TV só fala nisso. O exemplo é seguido por revistas, jornais, sites e tudo mais.

Poderíamos dizer que, se alguém se dá ao luxo de parar a própria vida por uma hora e meia ou duas, é porque está tudo bem com ele, ou com o país todo. As ruas estão sempre seguras, os hospitais bem aparelhados, as escolas formando alunos cada vez mais capacitados… “só que não”, como dizem por aí.

Então, para qual Brasil esse “povo” todo torce? Será que onze jogadores num gramado simbolizam toda uma nação? Eles dividem seus milionários ganhos com a população? Vão pagar essas horas não trabalhadas, essas aulas não assistidas, e até as mortes que acontecem porque não há uma ambulância, uma radiopatrulha, um segurança realmente com atenção em suas funções naqueles momentos de bola em jogo? É curioso como quase ninguém pensa nisso.

Mas também é curioso porque o brasileiro não se mobiliza da mesma forma na hora do trabalho, de pensar em quem votará nas próximas eleições, de zelar por suas cidades, de se dedicar ao estudo ou a melhorar seu desempenho em sua área de atuação.

Há algo errado em torcer por um time de futebol? Obviamente, não. A idolatria de quase toda uma população por ele, sim. Os governos fracos incentivam que aquele momento de “pão e circo” exista e distraia as pessoas de suas prioridades. Naqueles momentos de bola rolando, ficam como que hipnotizados e se esquecem de que os índices de violência nunca foram tão altos, que há mais desempregados que o número total de habitantes de muitos países e que um filho, um parente ou um amigo precisa de sua atenção.

Enquanto o Brasil achar que é a “pátria de chuteiras”, seus passos não o levarão a lugar algum. Mas quem decide é você. É preciso bem menos que um período de 90 minutos para tomar a decisão de não ser mais uma marionete nas mãos de corruptos e corruptores que só querem se dar bem, cegando uma população toda com vendas verdes e amarelas, enquanto a triste realidade de nosso país teima em continuar a existir lá fora.

Pense nisso tudo da próxima vez que der vontade de dizer “nós vencemos”, só porque uma seleção marcou mais gols que a adversária. Nós quem? Torça por você. Sua vida vale muito mais que um jogo de futebol.

Seja campeão da sua vida. A vitória, após toda a sua existência na Terra, será bem maior, bem mais significativa que uma taça dourada exposta em algum lugar, com um ilusório título que, daqui a quatro anos, outros tentarão tirar de você. Mas a sua Salvação, uma vez que baseada em seu relacionamento com Deus por meio do Espírito Santo, essa ninguém lhe tira.

Por: Marcelo Cypriano

Bispo Edir Macedo
Bispo Edir Macedo

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

Você sabia que também pode receber as mensagens do meu blog por e-mail? Preencha abaixo: