Melhor do que comprar sapatos

postado em: Blog, Diversos

54 comentários

Quando ganhei este livro, qualquer coisa para mim era melhor do que comprar sapatos. Meu pé é esquisito, comprar sapatos não era fácil, e eu preferia ter um par ou dois, só para não pisar em algum prego na rua. Se você é assim, entenda como “melhor do que chocolate”, “melhor do que viajar” ou “melhor do que um rodízio de pizza” ou…bem, melhor do que alguma coisa bem legal que você goste de fazer. :-) Hoje eu já fiz as pazes com os meus pés e entendo exatamente o prazer mencionado no título deste livro.

Melhor do que comprar sapatos (Editora Unipro), da Cristiane Cardoso, é uma coletânea de crônicas*, o que faz com que o livro seja praticamente como ter o blog da Cris dentro da sua bolsa. No ônibus, na fila do banco, na sala de espera do dentista ou mesmo no banheiro…em absolutamente qualquer lugar você consegue ler um texto inteiro, com começo, meio e fim, e que lhe servirá de alimento espiritual.

Mais uma vez me deparo com o problema de fazer resenhas de livros de bom conteúdo: começo a anotar trechos e tenho que me segurar para não transcrever todo o livro em um post! Mas selecionei algumas das muitas coisas que fiquei com vontade de compartilhar e comentar com vocês. :-)

Leia com bastante atenção:

“O nosso Senhor é gentil e humilde de coração. Ele disse que o Seu jugo é suave e que nEle encontraríamos descanso para a nossa alma. Se alguma vez você se sentir pressionada e sobrecarregada por causa de algo que está acontecendo em sua vida, basta entregar tudo em Suas mãos. Ele não lhe pedirá nada que não possa fazer. Ele é paciente e, se você não tiver forças para mudar de uma só vez, Ele a fortalecerá pouco a pouco. E quando estiver pronta para dar mais um passo em Sua direção, Ele estará de braços abertos para lhe receber. Essa é a vida cristã que eu conheço. Tudo o mais que é dito acerca do cristianismo, as imposições e exigências que oprimem e fazem as pessoas se sentirem como se estivessem a caminho do matadouro, são fardos desnecessários que acabam afastando as pessoas de Deus.”

Eu demorei para conhecer a vida cristã desse jeito que a Cristiane descreve, mas ela realmente existe! A vida religiosa é um fardo, mas a vida cristã, não! O único ponto que gostaria de acrescentar aqui é que descobri recentemente que quando digo “entregue nas mãos de Deus” para alguém habituado a religião, a pessoa entende “desista e largue o problema à própria sorte”. Sério. Então acho que devo explicar, pois talvez alguém aqui tenha vindo de alguma outra igreja, ou mesmo dentro da IURD pode ter tido influências religiosas que lhe façam entender de outra forma.

Há uma diferença grande entre o “entregar nas mãos de Deus” real e o “entregar nas mãos de Deus” religioso. O religioso entende “entregar nas mãos de Deus” como deixar para lá, esquecer, “entregar ao deus-dará”, ou, como dizem os gaúchos, “se atirar nas cordas”. O “entregar nas mãos de Deus” real é confiar aquilo que está te incomodando aos cuidados do Único que realmente pode resolver aquela situação. É muito mais um exercício de confiança do que de conformismo. Por isso traz essa paz e essa força.

É como se você conhecesse um homem muito importante e poderoso, que tivesse condições de resolver aquele determinado problema – seja ele qual for. Você entregaria seu processo nas mãos desse advogado, com alívio. É esse alívio que você tem de ter, o de saber que seu problema não é mais seu, e que tudo o que você precisar fazer a respeito dele, terá a direção Daquele que sabe o que fazer. A razão pela qual o religioso tem dificuldade de fazer isso é uma só: ele tem dificuldade de ver Deus como uma pessoa real.

“A melhor coisa a fazer para não ofender as pessoas é nunca falar quando você estiver aborrecida ou emotiva demais. É quase impossível filtrar as palavras que saem da nossa boca nessas horas. Deixe as coisas se acalmarem; talvez seja melhor falar no dia seguinte ou no decorrer da semana. Se ainda assim você não se sentir segura para tocar no assunto, não fale!”

Essa eu demorei horrores para aprender. Talvez ainda faça, vez ou outra, já que a gente nunca sabe o grau de sensibilidade das pessoas. Eu levo em consideração o que seria a sensibilidade de um ser humano adulto normal. Então vou cuidar para não falar nada que possa ofender essa pessoa. Não falar quando estiver aborrecida ou emotiva só é difícil quando o interlocutor em questão é o marido. Se o seu for igual ao meu, ele vai ficar terrivelmente incomodado em te ver quieta e não te deixará em paz até que você diga alguma coisa. Isso exige extremo autocontrole, comunicando a ele que você está bem e que não quer correr o risco de falar bobagem. Mas cuidado! Não diga “estou chateada”, pois ele vai te incomodar para saber o porquê você está chateada, se é com ele, o que ele fez e o que pode fazer para consertar. Nesse caso, os ensinamentos do livro “Casamento Blindado” podem ajudar. :-)

Agora, em relação às outras pessoas… Entenda que ter de fazer o melhor para não ofender não significa fazer de tudo para agradar! Temos de fazer o melhor para não ofender, mas eu não tenho controle sobre o que as pessoas vão pensar ou achar ou sentir. O que posso fazer – e tenho que fazer – é me esforçar para não ser pedra de tropeço para ninguém. Daí para diante, não é da minha alçada. Algo que a gente tem de manter sempre em mente é que não dá para agradar todo mundo. Nem todo mundo vai gostar de mim ou de você – na verdade, um número bem grande de pessoas não vai gostar…e quanto mais fizermos as coisas certas, menos popularidade teremos, já que no mundo em que vivemos, o que é correto não é nada popular.

No entanto, recorro primeiro à Gisele Bündchen e depois à Cristiane Cardoso, para explicar como essas coisas funcionam: Esses dias li, em outro livro, a seguinte citação da Gisele, falando sobre o início de sua carreira: “Eu tinha consciência de que nem todo mundo precisa gostar de mim! Algumas pessoas gostam de melancia, outras, de abacaxi. Isso não quer dizer que a melancia é mais saborosa do que o abacaxi. As pessoas têm gostos diferentes”. E a Cristiane completa com algo que diz absolutamente TUDO o que você deve ter em mente em relação a isso:

“Até que cresci espiritualmente e percebi que não deveria perder o meu tempo e minha vida tentando provar para as pessoas que elas estavam erradas a meu respeito, pois eu nunca iria agradar e alcançar a expectativa de todos; afinal de contas, eu sou humana. Às vezes, esquecemos que somos humanas e, portanto, sujeitas a erros. Nunca seremos boas o suficiente para as pessoas e não há problema algum nisso, pois não precisamos ser boas para elas. Deus nos escolheu dessa maneira, cheias de erros e defeitos; Ele conhecia todas as nossas fraquezas e, ainda assim, nos escolheu dentre tantas mulheres no mundo que são mais estudadas, mais bem-sucedidas e muito mais em tudo. Pode alguém querer mais do que ser selecionada dentre milhares e milhares de mulheres para fazer a diferença por causa da sua fé? Querida leitora, você foi escolhida por Deus para ser essa mulher incrível, não importando o que você já foi ou fez. Não perca esse prêmio tentando impressionar pessoas que não farão nenhuma diferença em sua vida. Impressione Aquele que merece.”

Isso me remete à resenha da semana passada. O que você tem de fazer é o seu melhor para Deus. Lembro do que aprendi com o pastor Fábio Martins, em Porto Alegre. Ele dizia que tudo o que a gente fizer para Deus, tem de fazer com toda a força. Mas aprendi mesmo não porque ele dizia isso, mas porque ele fazia assim. Eu via no exemplo dele. Ele era auxiliar o Bispo Emerson, e quando o bispo o mandava fazer alguma coisa, ele ia como um raio, com toda a sua força. Vivia extremamente atento à reunião, era uma águia. A qualquer situação que exigisse sua atitude, ele já estava lá. Não precisava nem que alguém o mandasse fazer alguma coisa. Estava na obra há quase vinte anos, mas a disposição com que servia era a mesma de qualquer garoto que acabou de ser levantado pastor. Um dia, ele contou o seu segredo: buscava a Deus como se tivesse acabado de chegar. Sua sede não diminuíra por já ser pastor, pelo contrário. E se você reparar em todos os homens e mulheres de Deus que você admira, vai encontrar esse ponto em comum: tudo o que fazem, fazem para Deus, e com todas as suas forças.

A partir do momento em que você deixa de fazer as coisas para Deus e começa a fazer as coisas para os outros ou para si mesma, os problemas começam. E isso em todas as áreas: no trabalho, na sua vida sentimental, na criação dos filhos…aliás, o livro fala de tudo isso. No meio do livro, o assunto é casamento, namoro e solteirice. No final, fala sobre maternidade e criação de filhos. A opinião dela a respeito disso é a mesma minha (e eu ainda vou escrever um livro sobre isso!). Com a diferença de que ela teve um filho, e eu não terei. Mas quando ela adotou o Felipe, a situação era outra, o mundo era outro. Não sei se hoje, com a cabeça que tem, com tudo o que aprendeu, ela teria um filho, ou adotaria (tenha nascido ou não de você, a finalidade é a mesma: formar um ser humano).

“Ser mãe é um trabalho de tempo integral, com longas horas e serão. Não é uma tarefa para qualquer mulher, e eu poderia destacar que é um dos trabalhos mais importantes que há no mundo inteiro. Você estará trazendo outro ser humano ao mundo. Consegue sentir o peso? (…)Você será diretamente responsável por ensinar a seu filho tudo o que ele precisa saber para obter êxito. Se você não aprendeu tudo ainda, ensinar seu filho será extremamente complicado!”

Não estamos dizendo que as pessoas são proibidas de ter filhos, mas que devem fazer essa escolha de modo absolutamente consciente. Você está trazendo um ser humano para este mundo violento. Ou você está pegando um ser humano que já existe neste mundo e trazendo para dentro da sua casa…mas você realmente sabe o que lhe espera?

“Se está pronta para enfrentar todas as agruras e ter o seu próprio filho, você deve primeiro estar preparada para negar as suas próprias razões egoístas”

E Cristiane pergunta:

“Por que você quer ser mãe?”

A resposta honesta a essa pergunta fará com que você se depare com a realidade. Raríssimas respostas não apontam para uma razão egoísta. Você quer ter um filho porque esse é o seu sonho? Você quer ter um filho porque quer sentir um amor incondicional? Você quer ter um filho porque sua família te pressiona? Você quer ter um filho porque sente um vazio em sua casa? Você quer ter um filho porque é tão bonitinho! Você quer ter um filho porque quer ter quem cuide de você no futuro? Você quer ter um filho porque todas as suas amigas têm filhos? Você quer ter um filho por quê?

“Veja que se você não puder satisfazer essas necessidades por conta própria, como acredita que uma pequena criança poderá satisfaze-las por você? Não é injusto esperar que o seu pequeno bebê segure seu parceiro em casa? Ou que ele faça sua solidão diminuir? Ou faça sua vida mais divertida? Como um bebê poderá fazer tudo isso? Se existe uma coisa que você deve aprender antes de se tornar mãe é que ser mãe diz respeito ao seu filho, não a você!”

Esse é o tipo de assunto que pode lhe chocar, mas que tem de ser dito. De todas as decisões que temos de tomar, essa é uma das mais sérias, pois envolve a vida de um inocente. De vez em quando encontro mães honestas que dizem que amam seus filhos, mas que se entendessem melhor as coisas antes, não os teriam tido, ou pelo menos teriam escolhido um momento melhor, com as finanças estabilizadas, ou com o casamento fortalecido, ou com outra estrutura emocional…é algo muito maior do que você e eu amei essa definição da Cristiane: “Ser mãe diz respeito a seu filho, não a você”.

Sem “crentices”, Cristiane fala abertamente sobre suas experiências, com o objetivo de ajudar a quem busca mudanças. Cada crônica é uma preciosidade. Na minha opinião, melhor do que passear na livraria. :-)

 

Vanessa Lampert

Quer ler todas as resenhas? Clique aqui.

 

PS: Um texto curto, que passe uma opinião pessoal, uma análise de determinado fato ou de situações do cotidiano…são características de um gênero literário chamado “Crônica”. Cristiane é uma cronista. :-)

PS2: Meu exemplar original ficou em Porto Alegre, e recentemente (ao me dar conta de que ainda não tinha resenhado este livro aqui) comprei um novo na IURD da João Dias, então imagino que deva ter na sua IURD. Se não tiver, um lugar em que eu sei que você encontra é no site Arca Center. Dá para comprar pela internet ou pelo televendas (tem o número no site)

Comentários (54)

comentar
  1. denise batista Disse:

    esse livro é otimo ja presenteei amiga com ele, e eu mesma ja li umas duas vezes.

    Deixar um comentário
  2. Gabriela (Sorocaba) Disse:

    Linda, linda, linda !!!!! Ai como eu gosto. Fico só esperando vc aparecer … rsrsrs Tbm gostei do livro, no começo achei bem diferente pq não tinha continuação. Acabava o assunto e partia pra outro. Comecei fazer isso que a sra falou, colocava na bolsa ou na cabeceira, lia um capitulo depois passava um tempo lia outro. Eu tbm descobri o verdadeiro significado de
    Entregar nas mãos de Deus
    Antigamente pensava assim, (entreguei nas mãos de Deus) Deus sabe do meu problema, ele está vendo,está entregue nas mãos dele, porém ele quer que fique do jeito que está, conforme-se! Hoje, qdo entrego nas mãos dele, tá tudo certo, vai acontecer, cedo ou tarde! BP Renato veio aqui em Sorocaba e a primeira coisa que ele disse foi, que Deus é especialista no nosso caso, seja ele qual for, Deus é Doutorado, mestrado, é o único que pode resolver por completo 100 % nosso problema. Agora tentar me controlar qdo quero falar, é uma luta ! Me dá até mal estar, mais eu fecho minha boquinha e fico me remoendo, mas honestamente, as vezes não aguento! Tô me esforçando. Qto aos filhos, eu tenho 2 meninos 1 de 6 anos e outro de 1 aninho, sempre quis ter uma menina, tive 2 meninos tentando menina…rsrsrs Penso em adotar uma menina, só penso, sei que não é fácil,e jamais tomarei nenhuma decisão sem repensar 1000 vezes, mais tenho essa vontade. Não me arrependo nem por um segundo de te-los, ter um pedaçinho seu e do seu amor em forma de uma pessoinha, é incrivel, nasci para ser mãe, é muito gratificante, bom pelo menos até o momento tem sido. Claro que, tem seus contras como tudo na vida, me tornei uma pessoa muito melhor depois deles.
    Beijos
    Gabi

    Deixar um comentário
  3. Gisele Felix Disse:

    Olá Vanessa, esse livro realmente é maravilhoso, já li varias vezes e amei.
    Me identifiquei com você em uma coisa… Quando li o livro “A mulher V”, quase escrevi outro :). Aquele espaço depois de cada capítulo para anotações foi utilizado todinho do início ao fim do livro :)
    Beijinhos

    Deixar um comentário
  4. Sara Gabriela Dias Alves Disse:

    Uma das coisas mais interessantes deste livro é que não preciso segui-lo do começo ao fim, posso apenas ler aquilo que preciso naquele dia, recomendo Melhor do que comprar sapatos, muito bom.

    Deixar um comentário
  5. Lurdes Mahumane Disse:

    Identifiquei me cm esses trechos, minha vontade agora e de ler o livro todo. Umas das coisas boas que esta acontecendo neste momento e que estou adquirindo o gosto pela leitura, tinnha preguica de ler, so lia por obrigacao. Voces sao responsaveis por me propocionar esse lado bom. Tenham a certeza que em mim so fizeram maravilhas, minha vida esta se transformando. Adoro os vossos blogs. Bjs

    Deixar um comentário
  6. Tamili - Ctba/PR Disse:

    Ola dn.Vanessa, eu ja li e reli esse livro foi o primeiro livro da dn.cris que ganhei e ele veio em muito boa hora, eu estava passando por um momento dificílimo, so queria chorar embaixo das cobertas,esperando o dia amanhecer porque a noite era o meu terror, nao gosto nem de lembrar. Mas enfim foi de muitissima utilidade pra minha vida espiritual e pessoal, cada palavra eram toneladas saindo das minhas costas e um novo caminho,um caminho livre para se andar. Recomendo concerteza :) bjinhos

    Deixar um comentário
  7. elziane de jesuse Disse:

    Muito obrigado D.Vanessa por dividir conosco essas maravinhosas resenhas.
    Eu também, amo este livro.

    Deixar um comentário
  8. Gislene Disse:

    Gostei muito das partes que voce colocou em destaque, o amadurecimento vem com o aprendizado, saber a ora de falar é algo que devemos observar, assumir nossas responsabilidades enfim não esperar que os outros façam aquilo que devemos fazer, ser mãe dura tarefa e cheia de responsabilidades, são dicas que não podemos esquecer. Abraços

    Deixar um comentário
  9. Pat... (sp) Disse:

    Boa tarde Vanessa.
    Eu já li o livro e simplismente amei!um verdadeiro alimento para a nossa fé!
    Deus abençõe!

    Deixar um comentário
  10. Aglaé Dutra - Porto Alegre/RS Disse:

    “Na minha opinião, melhor do que passear na livraria.” :D Hehehe, sinal de que esse livro é bom mesmo!

    Eu li e digo que pra mim, ele é melhor do que chocolate!!!

    Beijos.

    Deixar um comentário
  11. Débora de Moraes Barros. Goiânia - Goiás. Disse:

    “O nosso Senhor é gentil e humilde de coração. Ele disse que o Seu jugo é suave e que NELE encontraríamos descanso para a nossa alma. Se alguma vez você se sentir pressionada e sobrecarregada por causa de algo que está acontecendo em sua vida, basta entregar tudo em Suas mãos. Ele não lhe pedirá nada que não possa fazer. Ele é paciente e, se você não tiver forças para mudar de uma só vez, Ele a fortalecerá pouco a pouco. E quando estiver pronta para dar mais um passo em Sua direção, Ele estará de braços abertos para lhe receber.”

    Deus nos escolheu dessa maneira, cheias de erros e defeitos; Ele conhecia todas as nossas fraquezas e, ainda assim, nos escolheu dentre tantas mulheres no mundo que são mais estudadas, mais bem-sucedidas e muito mais em tudo. Pode alguém querer mais do que ser selecionada dentre milhares e milhares de mulheres para fazer a diferença por causa da nossa fé.
    Deus te abençoe, em nome do Senhor Jesus. Obrigada.

    Deixar um comentário
  12. Lori Disse:

    Olá Vanessa!

    Eu já li e reli este livro diversas vezes; emprestei para algumas pessoas e no momento está com uma sra de outra denominação que está adorando!
    Porém, nunca parei pra pensar no “entregar nas mãos de Deus” desta maneira. Quer dizer, eu já sabia disso, mas qdo a gente lê, de forma explícita, isso fortalece nossa fé.
    Que Deus continue abençoando vc e a todas as colaboradoras deste site!

    Deixar um comentário
  13. edivania Disse:

    amei, agora tambem quero ler

    Deixar um comentário
  14. Andreia Disse:

    Olá sra Vanessa. Adorei este post. Gosto muito de ler e tento sempre ler os seus posts. Obrigado por compartilhar tanto comigo. Sempre aprendo…cada vez mais e é tao bom. Beijinhos para todas que publicam neste blog e me edificam cada vez mais.:-D

    Deixar um comentário
  15. Elaine Santos Disse:

    Oi Vanessa, bom dia!
    Como é gostoso ler suas resenhas! Leio como se estivesse te ouvindo falar.
    Beijos querida!

    Deixar um comentário

Deixar um comentário