Blog

No outro dia minha cabeça doía muito. Me levantei por volta das 14:00 horas, minha mãe não estava em casa, estava na igreja evangelizando. Esse era o horário que eu sempre saía para entregar jornais e falar de Jesus…

– Eu não consigo falar com Ele. Dá a impressão que não tenho mais perdão, que para mim não tem mais jeito.

Fui até o armário e peguei um analgésico para minha terrível dor de cabeça. Vi vários tipos de remédios tive vontade de tomar todos. Senti um desejo enorme de me matar…

Uma voz dizia muito sutil no meu ouvido que eu não tinha mais salvação, se eu me matasse aquela angustia sairia e eu seria feliz. Minha dor iria acabar no exato momento que eu morresse…

Peguei uma cartela de remédio para emagrecer que já estava lá no armário há muito tempo, uns dez comprimidos para dor de cabeça e água sanitária. Com uma colher despedacei um a um, até vivarem pó. Misturei todos eles em um copo e adicionei água sanitária. Sentei na janela do meu quarto que dava de frente para um canteiro muito lindo com flores do campo que minha mãe pediu para o jardineiro plantar. Fiquei com aquele copo nas minhas mãos… a cada segundo a voz falava mais alto para eu beber pois minha vida seria outra, meus problemas acabariam, mas eu tinha medo, muito medo… nem sei de que eu tinha medo, mas estava completamente aterrorizada com aquela situação.

Meu coração estava tomado pelo ódio, a mágoa de Deus era muito grande. Como Ele pode fazer isso comigo? O que eu fiz para me crucificar dessa forma?

Andei de um lado para o outro do meu quarto e estava decidida a beber o veneno quando o telefone tocou. Levei um susto tão grande que o copo se despedaçou no chão… Era Felipe, disse que queria que eu conhecesse alguém.

Muito bem, pedi que entrasse. Na sala de casa ele me apresentou alguns colegas. Pessoas estranhas porém muito legais. Ana, Paula, Nenê, Tato, Carol e Bia. Fizemos pipoca e assistimos um filme. Eles haviam passado em uma locadora e o alugaram. O vazio continuava dentro de mim, mas a presença deles me fazia rir um pouco.

– Tem cerveja? Me perguntou Felipe.

-Não.

– Eu disse que aqui não tem isso. O povo é muito careta.

– Marina você tem que aprender viver. A vida que você leva é muito chata. Depois do filme vou te mostrar algo muito manero.

– Paula , eu gostaria de ficar em casa, estou cansada.

Todos deram gargalhadas e Felipe disse que era para eu ir senão eu seria a namorada mais chata que ele já teve.

Eu não queria ser a namorada chata do Felipe, então subi para meu quarto e me arrumei.

Ana subiu depois e quando me viu com uma calça jeans e uma camiseta rosa com flores disse que eu não sabia me vestir. Abriu meu armário e tirou um calça de sarja branca. Perguntou onde tinha uma tesoura e a cortou, fez uma dobra na barra para não precisar costurar. Sim ela cortou minha calça nova de sarja e fez um shorts curto. Eu nunca havia saído com shorts, mas quando o coloquei me senti bem. Parecia que aquele era o meu mundo agora. Pegamos então uma regata ( que eu costumava usar por baixo de outras blusas), um tamanco de salto alto e muitas bijuterias. Ela fez um rabo de cavalo em meus cabelos castanhos escuros, pintou meus olhos de preto e me fez olhar no espelho.

– Incrível ! Estou muito bonita ! Amei a produção. De agora em diante vou me vestir assim.

Quando desci as escadas, Felipe ficou maravilhado.

– Uau!!! Que gata !!! Essa é a Marina que eu gosto.

Senti uma mistura de remorso com desejo de conhecer esse mundo novo.

Nessa tarde fomos para um shopping. Assistimos outro filme e depois entramos em uma lanchonete. Tinha música ao vivo e muita bebida. Eu não queria sentir dores de cabeça novamente, por isso disse que não iria beber nada de álcool, queria apenas um suco.

Novamente muitas gargalhadas… fiquei tão constrangida que pedi a mesma coisa que todos, cerveja, muita cerveja…

Eu não sabia mas Felipe fumava. O cheiro da fumaça do seu cigarro e de todos ali em volta me fez tossir muito, eu ficava sem ar a todo momento… eu nunca vi meu pai fumar, em minha casa nunca entrou cigarro ou bebidas alcoólicas…

Uma semana se passou e eu não me reconhecia mais, nem por um momento me lembrava que um dia fora de Deus.

Deixei de falar com minha mãe, estava muito revoltada com tudo e não queria amizade de ninguém daquela casa, apenas dos meus amigos.

Abri meu email e vi a foto linda de uma rosa amarela. Felipe estava me convidando para sair, eu só não entendi o que tinha haver com a rosa.

– Quero te apresentar ao maior desenhista que já conheci.

– Você tem amigo desenhista? Que tipo de desenho ele faz?

– Você vai amar !!!

Felipe me levou com seu carro até uma loja muito colorida. Era a loja do Dudau. É um apelido esquisito, todos o conhecem assim, mas o seu verdadeiro nome é Claudemir. Ele é um excelente tatuador.

– O que estamos fazendo aqui?

– Vou fazer uma tatoo, queria que me acompanhasse.

– Tudo bem, fico aqui ao seu lado.

– Você não entendeu… quero que faça uma rosa amarela em seu pulso, vai ficar lindo…

– Eu? Nunca pensei em fazer isso…mas confesso que estou tentada em colorir meu corpo.

Pensei um pouco, olhei outros desenhos, fiquei indecisa por um momento.

– Pronto, já decidi.

– E aí, qual vai ser?

– Quero a rosa amarela, vai ficar linda mesmo…

Naquela tarde eu apareci em casa de shorts, camiseta decotada, maquiagem escura e tatoo. Minha mãe quase enfartou, percebi isso no seu olhar, porém nenhuma palavra saiu de sua boca…

Capítulo 7

Méuri Luiza

Colaborou: Meuri Luiza

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

  • Vitória Faria

    Oi dona Méuri,
    que angustiante… dá para perceber que no fundo ela se cobra e por mais que esteja gostando das novidades, esta doendo se afastar daquilo que Deus tinha planejado para ela.
    E chama muito minha atenção que o diabo já começa a colocar na cabeça dela que não tem mais jeito, que acabou, que só a morte vai ajudá-la…
    Ele dá corda para a pessoa se enforcar… com certeza esse Felipe e os novos “amigos” ão em breve largar ela, e dieixar ela sozinha, doente, sem Deus, sem mais nada…

  • Ela está acabando com sua vida

  • Patrick

    pois é, o diabo ilude e vai levando cada vez mais a fundo a pessoa, até ela estar no fundo do poço, e qnd abrir os olhos pode ser tarde d+, graças a Deus já saí desse mundo, e vou resgatar mts almas q estão na msm situação em q eu se encontrava.

  • WILNA KELLY..........SÃO LUÍS/MA.

    esse felipe é o própio diabo..

  • Amanda - IURD São Pedro

    Impossível não querer acompanhar a história até o fim. E pior é saber que existem várias Marinas e Felipes por aí. Que o Senhor Jesus tenha misericórdia de todos nós!

  • Luiza Freire

    O que mais entristece é saber que antes ela era cheia do Espírito Santo, mas não vigiou nos detalhes.

    Dona Meuri, a cada capítulo, fico com mais temor porque sei que o diabo fica sedento por aqueles que se dispõe a se entregar a Deus com inteireza de coração, tentando a todo custo roubar suas almas.
    Espero que esta história sirva para resgatar as Marinas de hoje e alertar as possíveis.

    Que Deus a abençoe!

  • Heloiza

    Muitas meninas são assim, acham que se não fizerem o que seus amigos e namorado querem vão parecer chata. Mas elas tem que entender que elas tem que fazer que agrada a Deus e não a o homem.

  • Polliane Cardoso- Planaltina - DF

    Meu Deus, fico a imaginar se Jesus voltasse durante esse momento de rebeldia de Marina com certeza ela iria para o inferno ou até mesmo se morresse estaria condenada, não por Deus mas por suas atitudes. Conheço vários ex- obreiros que se deixaram levar pelas ciladas do diabo e hoje estão como Marina, sem forças, com odio de Deus, e fazendo o contrario do que aprendeu quando estava na fé. Todos nos já fomos convidados pelo diabo, mesmo achando que não mas fomos, em algum momento da vida o diabo já deve ter soprado em nossos ouvidos um convite feito por um de seus servos malditos como um “amigo, a mídia, enfim com o brilho do mundo, mas amarramos o diabo e continuamos a ouvir a voz de Nosso Amado Deus. Peço à Deus todos os dias a Sua misericórdia sem fim, pois sou barro e quero ser moldada por Ele.
    Na fé.

  • Andressa RJ

    É, D. Méuri…Essa história demonstra a mais pura realidade..fiquei lendo e imaginando meus ex companheiros de obra que estão na mesma situação…É muito triste, mas serve pra nos fazer vigiar mais e reconhecer do que Deus nos livrou. Bjs..!

  • MONICA Loiola

    Nossa essa historia cada dia fica melhor fala muito comigo

    isso é muito bom ,para alertar a todos os obreiros a não se envolverem com a pessoa errada pois quando não esperamos
    a hora que Deus prepara ,quebramos a cara igual a marina ai fale aquele ditado antes so do que mal acompanhada e ter a companhia do Espirito Santo pois ele é o nosso melhor amigo e mostra o caminho certo .

    Dona Méuri Deus abencoe a senhora estou falando para todos

    que eu conheço para lerem essas historia pois apesar de não ser real é a realidade de muitos e pode ajudar aqueles que estão pensando em desistir

    Beijos

  • É triste ver como a pessoa vai se afundando cada vez mais! Isso é uma realidade de muitas, infelizmente!

  • Michelle Araújo

    Como o mundo iludi ás pessoas, de maneira que ficam totalmente cegas, e se deixam levar completamente para ás armadilhas do mal.

  • Caramba que triste?, É asim mesmo ela está se afundando cada vez mais!!
    Abraços Dona Méuri !

  • Aline

    A história está cada vez mais triste Dona Meuri…. Pobre Marina, se deixando levar pela opinião dos outros… deixando esse Felipe tomar suas decisões!
    Senhor, tenha compaixão de todas as pessoas que estejam enfrentando alguma situação como esta!
    Que Deus, através desta história, abra os olhos de muita gente!!!

  • leslie

    Coitada da mãe….
    Essa Marina, não sabe onde esta a meter-se…Shame on here…