Blog


Um mês se passou após a morte de minha mãe, meu pai começou a beber. Não suportava mais a dor da falta de sua amada. E eu? Como fico?

Voltei às aulas, não ia muito bem em matemática, não conseguia entender nada das equações que era ensinado. Já estava com quase 11 anos e minha cabeça não funcionava muito bem. Sempre tendo pesadelos com o monstro e a lembrança da minha mãe, agora meu pai virou um viciado, eu nem tenho comida descente para me alimentar, vivo de leite ou macarrão sem molho, é a única coisa que sei fazer. Quando sinto fome, faço um macarrão simples apenas cozido em água e sal, coloco um pouco de azeite depois de pronto e me alimento, ou então um belo copo de leite morno com o que tiver na dispensa para dar uma cor ou sabor. Se não tiver nada, bebo apenas leite morno.

Fui para o colégio, era dia de prova, eu até que estava animada, porque era prova de educação física, tínhamos formado um time de futebol feminino, eu gostava bastante. Fui para o vestiário e para minha surpresa minha primeira regra veio. E agora? O que eu faço? Uma colega me ajudou e assim consegui participar da prova sem maiores problemas.

Agora eu era uma mulher, com corpo de mulher, sofrimento de mulher, mais desejo de menina, queria apenas ser feliz…

***

 

O ano letivo acabou e desta vez pude ir até a casa de meus avôs passar o fim de ano com eles. Parecia tudo normal, quando recebemos a noticia de que meu pai havia passado mal. Meus avôs me levaram até o hospital para eu ver o meu pai, já era tarde.

O médico me chamou e me disse:

– Minha filha, fizemos de tudo, mais seu pai teve uma parada cardíaca por causa da bebida e veio a óbito.

– Vó o que eu faço agora? Não tenho ninguém.

Fiquei desesperada, sozinha nesse mundo de meu Deus…sem a mãe, sem o pai, meus avós já eram de idade, não saberiam cuidar de mim… ( choro ).

Fiquei então duas semanas na casa deles, eles moravam em um sítio também distante da cidade, então eu não tinha como ir ao colégio. Resolveram  que eu iria morar com minha tia. Ela era sozinha, não tinha marido nem filhos, era irmã da minha mãe. Quando eu era pequena gostava muito dela por causa dos bombons que me trazia, mais ela tinha cheiro de uísque.

Arrumei minhas coisas e fui até a casa dela, fiquei num quarto bem bonito, com um papel de parede rosa, e uma escrivaninha de madeira escura. Tinha um quadro de bailarina na parede, e uma janela que dava para a rua, onde eu podia ver todo mundo passar.

Voltei a freqüentar a escola, sete meses se passaram e descobri que morar com a minha tia não era legal, porque ela bebia tanto quanto meu pai. Ela não cuidava muito de mim, eu quem fazia a comida, lavava a minha roupa e limpava a casa. Eu não sabia cozinhar muito bem, era bem mais fácil fazer um copo de leite ou macarrão sem molho. Às vezes eu fazia bolinho de chuva com suco de limão. Eu gostava de comer o bolinho assistindo televisão, mas quando ela chegava em casa tinha que desligar tudo e ir para o meu quarto, senão ela brigava e ficava falando o tempo todo, coisas que eu não entendia, parecia que falava com o além, ela mesmo falava e respondia como se alguém estivesse com ela. Eu nunca entendi isso.

Todos os dias ela me buscava na escola, mas nesse dia ela não foi, tinha uma entrevista de emprego e não podia faltar. Não sei se iria passar nessa entrevista, na noite anterior havia bebido tanto que seu cheiro estava insuportável…

O sinal tocou e quando saí do prédio escolar, encontrei o monstro na porta me esperando. Com aquele olhar de lobo querendo me devorar, igual aos meus pesadelos. Ele veio até mim, não entendo como sabia que minha tia não viria.

– Vim te buscar, disse o monstro.

-Como sabe que estou sozinha, minha tia está me esperando…

-Todos os dias eu te espero e hoje sei que ela não vem.

-Eu não vou com você, não pode mais fazer nada contra minha mãe e nem contra meu pai.

– Posso matar você se não vier ou se abrir a boca para alguém.

Mais uma vez o monstro me colocou no carro, por ser conhecido de todos, e saberem que ele era amigo do meu pai, ninguém achava estranho, e eu não tinha como gritar. Novamente o desespero tomou conta da minha alma. Me sentia indo para o matadouro, uma menina completamente desesperada e sem saber o que fazer! Tinha vontade de fazer ele sumir de perto de mim, mas não sabia como…

Aquele dia foi um dos piores dias da minha vida. Ele me destruiu por inteiro. O monstro com cheiro de pobre e o cheiro daquela casa fedida estavam de novo em mim. Agora meu ódio por ele era um milhão de vezes maior. Eu só pensava que quando eu crescesse iria matá-lo.

Tentei falar para minha tia, mas ela estava tão bêbada quando chegou em casa que mal sabia o caminho do seu quarto.

Novamente eu estava sozinha, ou quase sozinha…

Capítulo 4

Méuri Luiza

 

Colaborou: Meuri Luiza

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

  • Ingrid, Força Jovem Manaus- Amazonas

    Que horrivel esta situação. E infelizmente muitas garotas passam por isso todos os dias. É uma barra terrivel. Conheço historias de algumas. Só Deus pra fortalecê-las…

  • Ingrid, Força Jovem Manaus- Amazonas

    Que horrivel essa situação. E infelizmente muitas garotas passam por isso, conheço histórias de algumas…nossa é uma barra terrivel, algumas falam em morte, é horrivel!!!!!!!!

    • Meuri

      Pois é Ingrid, elas pensam em morrer e essa é a maior preocupação, porque quem se suicida perda a salvação.

  • Éwilla Santana-Goiana PE(Sede)

    Muito forte isso!há sempre tanta ajuda e as mulheres não tem coragem para contar o que se passa.Por mais que se diga que não se deve ter medo,existe uma culpa uma tristeza demoniaca que as impede de se libertar.
    Através disso podemos acompanhar o sofrimento de várias mulheres.E espero que atraves domesmo milhares possam ser libertas.
    Que Deus lhe abençoe!

    • Meuri

      Éwilla, essa é a intenção das histórias, ajudar as meninas que passam por um problema parecido com esse. Deus abençoe.

  • Nelza

    Fico pensando no desespero que muitas meninas estão agora, passando por uma situação semelhante sem poder contar com ninguém.

    Deus tudo vê e tudo pode, elas terão a chance de ficarem livres de todo esse mal.

    Até a próxima

    • Meuri

      Sim Nelza, em nome de Jesus.

  • Tamires Veroneze-São Paulo

    Olá D.Meury estou acompanhando esta história, fiquei muito feliz em saber que a sra tem escrevido, pois através de sua criatividade será muito usada por Deus, para ajudar muitas crianças, adolescentes e jovens .
    Estarei compartilhando o link.
    Aguardo a 4ª parte da história.
    beijinhos …Deus abençoe a sra.

    • Meuri

      que bom Tamires, Deus te abençoe abundantemente.

  • Bianca Lyz

    Ola Meury!!…. ja contei para varias amigas dessa nova historia, elas leram e gostaram, agora toda terça eu e elas estamos ligadinhas aki para saber como vai continuar esta historia…

    Ate a proxima terça =)

    Bjus

    • Meuri

      Até a próxima terça feira Bianca, Deus te abençoe.

  • Vitória Faria

    Bom dia dona Méuri,
    eu não vejo a hora de ler a próxima parte!!!!
    com carinho Vi

    • Meuri

      Olá Vitória, toda terça feira. beijos

  • Nossa, que estória interessante! Estava esperando tanto chegar na terça…É uma realidade, e me desperta porque há tanta gente nessa situação e pior nada podem fazer. Só Deus mesmo, eu quero poder ajudar essas meninas e mulheres de alguma forma, que Deus me use! Beijinhos, na espera para a continuação na terça!

    • Meuri

      Olá Vitória, se coloque a disposição Dele, e com certeza Deus irá te usar cada vez mais. Beijos.

  • KELLY CRISTINA

    SONHOS DE CRIANÇAS SENDO DESTRUIDOS POR MONSTROS, ESTE MUNDO É PODRE.

    • Meuri

      Quando temos o encontro com Deus os sonhos são refeitos, por isso devemos levar as pessoas a conhecer o Deus vivo. Seja abençoada Kelly

  • Alê Vieira

    Dn.Meuri essa historia esta ficando a cada vez mais triste, é tão horrível saber que isso acontece todos os dias e essas vitimas ñ tem coragem de contar e sair dessa situação.Mas eu estou junto com vcs nessa campanha contra a qualquer tipo de violência a mulher.Nesse sábado dia 26/11 aqui na Bahia tivemos a caminhada contra a violencia a mulher,ARREBENTOU eu estava lá tenho certeza que muitas mulheres já sairam evai sair de suas prisões com essa iniciativa…

    • Meuri

      Que Deus continue sempre te usando Alê. Beijos

  • sirlene

    Que historia horrível e triste , imagino como essa menina sofreu mas isto acontece sempre e nem notamos.

    • Meuri

      É verdade Sirlene, Deus conhece a dor dessas mulheres e somente Ele pode mudar suas vidas. Nós fazemos a nossa parte mostrando a elas que existe uma solução. Deus abençoe.

  • Lorena

    Gua, soy una persona que me gusta,ucho leer y la verdad es que esta historia me cautivo desde el inicio, y en lo que mas pienso es en que es verdadera y cuantas mujeres no estará su friendo así. Dios mío, gracias por contarla se que su experiencia esta ayudando a muchos. Un abrazo.

    • Meuri

      Que Dios te bendiga, Lorena.

  • Christina Moura

    Quanto sofrimento em tão pouco tempo de vida. Como o ser humano consegue ter prazer na crueldade ??? Se não é contra outro ser humano é contra animais indefesos. Nunca vou conseguir entender ou aceitar.
    Abraço carinhoso.
    Chris/Acre

    • Meuri

      Abraços Christina.

  • Érika Marinho-Templo Maior João Dias-FJ

    Nossa estou ficando cativada pela história,mais confeco que já estou ficando revoltada com esse MONSTRO!!!! O triste é saber que como ele,existem muitos outros….
    Na fé, e aguardando pela proxima terça!

    • Meuri

      sim Érika, esses monstros existem e somente o Espírito Santo pode arrancar do coração triste toda dor. Deus te abençoe.

  • juliana

    estou acompanhando toda terça , tenho certeza q ésta história ajudará muitas pessoas , e pela fé vai conquistar muitas almas para jesus, Deus abençoe e que a obra dele seja feita.

    • Meuri

      Amém Juliana, que Deus tambem te abençoe.