Blog

 

Tem mulheres que sofrem a dor da saudade dos filhos. Elas choram escondidas em cima das fotos, dos desenhos que seus bebês fazem. No final da visita tem papel colado por toda parede.

Muitas diminuem a saudade passando os dedos pelos rabiscos feito pelos seus amores.

Uma delas, tem uma linda menina de um ano e meio. A criança está sendo criada pela avó, que é mais pobre que tudo, mora no meio da favela e nem tem leite para dar à pequena. Essa triste e desesperada mãe vende cigarros aqui. O dinheiro que ganha, esconde no colchão e quando sua mãe vem visita-la, entrega em suas mãos o pequeno valor para a compra do alimento da filha.

As vezes penso que a mãe da Mariana só vem visita-la por causa do dinheiro. O olhar dela é frio, não demonstra nenhum amor…

Acredito que ela só está viva aqui nesse inferno, por causa da sua bebê, senão com certeza já teria se matado e saído desse lugar, mesmo que fosse morta.

Teve uma discussão entre elas aqui, isso acontecia todos os dias, mas, dessa vez, elas fizeram o que prometeram. Uma das meninas desafiou a autoridade da Machadinha e, pela manhã, fez a garota beber da própria urina. E disse que da próxima vez ela iria beber da urina das outras presas.

Há outra cujos dentes foram quebrados com socos. Sua boca ficou toda estourada, seus lábios ficaram muito inchados e três dentes jogados no chão.

Aqui se apanha por levantar os olhos, ou nem por isso, se elas não gostam de você lhe matam, é simples.

Eu ainda não sou aceita aqui e nem quero mesmo. Quero sair logo desse inferno. Continuo dormindo no chão, no canto direito da cela. Os pernilongos e percevejos são incontáveis, existem por todo lado. Minha perna está em carne viva de tantas picadas.

Essa noite não consegui dormir. Uma das detentas estava tossindo muito, a menina ardia em febre. Era uma tosse grossa, muito carregada com sangue e pus. Há alguns dias eu reparei que ela não estava se alimentando – também, a comida é horrível – emagreceu bastante e estava muito debilitada. Pela manhã, quando chegou o desjejum, ela não comeu. Seu pão emborrachado foi tragado pela Machadinha. Ela recebeu esse nome porque matou seu companheiro com uma machadinha, esquartejou o corpo dele e colocou no porta malas do carro. Pois é, são com essas pessoas que eu estou compartilhando uma cela… Eu, que não fiz nada. Por isso não aceito essa injustiça comigo!

Passo meus dias sem falar com ninguém, nem ouso levantar meus olhos. Se alguma delas perceber que estou olhando para a sua direção, posso apanhar até morrer.

 

Chegou domingo, é dia de visitas. Os familiares chegam por volta das 14h para visitar as meninas. Às vezes fico na esperança de aparecer alguém para me visitar… Mas quem? Eu não tenho ninguém. A minha irmã nem sabe que estou aqui, e nem quero que saiba, ela pode ficar preocupada e não quero isso. Outro dia, vieram alguns evangélicos e trouxeram uns livros. Conversaram conosco e deram uma palavra de paz…

Paz, uma palavra tão pequena mas tão importante nesse lugar, porém algo impossível… Queria tanto que eles voltassem…

Geralmente quem visita são mães e filhas. Elas são revistadas, e nem todo tipo de comida pode entrar. Algumas levam sabonetes e shampus, outras chocolates e doces, outras não levam nada, apenas o amor… Isso já é o suficiente para quem vive no inferno.

Reparei que algumas meninas ficam nas celas, como eu, porque não tem ninguém que as visite. As outras ficam no pátio com os seus. Vi uma menina linda, de uns quatro anos, gritar a palavra “mãe”. Ela correu em direção a alguém. Não pude deixar de acompanhar os passos da garotinha a fim de descobrir quem era a sua mãe. Para a minha surpresa, é filha de Cadú, a detenta mais temida da cadeia. Ela é a chefe de alguma coisa lá fora e domina a área de dentro também. Todos a respeitam e a obedecem. Foi ela quem deu ordem para bater até matar a Ana.

Cadú pegou a menina nos braços e a abraçou com toda força. Acho que sua mãe trouxe a filha para a visita.

Continua na próxima terça feira

Méuri Luiza

Colaborou: Meuri Luiza

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

  • Ingrid Veronica

    Acho muito importante todas essas historias baseadas em fatos reais, tenho acompanhado todas , sempre tiro um tempinho no meu dia pasoo aqui e leio. Parabéns Dona Meuri …
    Na fé !

  • Olá d.Meury gostei muito de suas histórias ela nos ensina que a vida é sempre díficil e sem lutas não temos bons resultados de vitória e conquistas que Deus a abençoe muito mais Em Nome de Jesus Amém!!!

  • Aline/ Ji-Paraná - RO

    Nunca li uma história capaz de mexer tanto assim conosco. Estou ansiosa pelos próximos capítulos. Parabéns a autora da história e agradeço a Deus por ter colocado nos nossos caminhos, pessoas que são capazes de nos fazer mudar apenas com palavras. Agradeço também a Dona Cristiane Cardoso, por estar disponibilizando esse espaço para essas histórias. A senhora, é um espelho para muita gente (inclusive para mim), continue assim e que Deus te abençoe cada vez mais.

  • Kezia

    Lindo esse capítulo dona Meuri pois só Deus sabe o que essa meninas passam dentro da cadeia, sem familia, amigos, sem carinho. Apesar de não conhecer a dor delas atravez dessa historia consegui imaginar como é la dentro.
    Que Deus abençoe muito sua vida.
    Beijinhos
    Kezia Dias Gois

  • monique

    dona meuri,fiquei muito feliz em ler as historias que a senhora escreve,pois mostra os fatos que realmente acontecem neste mundo,e isso nos faz pensar no inferno que pessoas assim passam,digo isso pois temos um grupo amigas ada fé,e fazemos trabalho nos presidios,e tbem na fundaçao casa,e vemos o quanto aquelas pessoas que estao la dentro sofrem,quando a vemos assim restrita aquela mundo ali,pedimos a DEUS para que ouçam a palavra de DEUS que fomos levar,como ocorreu neste capitulo,para que elas veem que fomos levar A PAZ ate elas,entao fico muito contente pelo trabalho que a senhora esta desenvolvendo e estou no aguardo do proximo capitulo,e nao vejo a hora destas historias se transformar em um livro,leio sempre as historias que a senhora posta,pois me auxilia muito …obrigada por tudo que a senhora tem feito por tdoas nos mulheres,pois tudo isso nos edifica…DEUS abencoe a senhora sempre e este trabalho tambem..

  • joeldaleitao

    Bom dia ,sempre gosto de acompanhar essas historias,elas sao muito forte.
    Deus os abencoe

  • Katheryne - FJ Santos

    Acompanho todas as histórias que a senhora escreve, gosto muito, pois fala a realidade da vida, onde verdadeiramente podemos ver a ação do diabo, e a cada história vemos o quanto é importante GANHAR ALMAS, SALVAR essas pessoas que estão perdidas… Que Deus abençoe a senhora, e continue lhe dando inspiração e sabedoria!
    Se tu uma benção!
    Um Beijo Dona Méury.

    • Meuri

      Deus te abençoe Katheryne.

  • paulo sérgio

    Que bom poder ler tantos histórias que servirá de exemplos para a população.

  • Diana Deyse

    Parabens doma Méuri
    Pelas historias escritas, que Deus continue dando sabedoria para escrever tantas historias marcantes…

  • Daniela Duarte _ FJE

    Parabéns D. Méuri porque as suas histórias são cada uma melhor que a outra, que Deus lhe dê a cada dia mais sabedoria e direção para que a senhora possa ensinar e ajudar muitas pessoas através deste dom.
    Que Deus a use a cada dia mais;)

    • Meuri

      Amem Daniela, Deus te abençoe.