"Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade."
15
mai2015

A responsável é a fé


<
30
mai2011

Fé sem sangue

Acidentado dá entrada no pronto-socorro. Há perda contínua de sangue. A situação parece grave. Imediatamente, o acidentado é conduzido para o centro cirúrgico. Procedimentos pré-operatórios são feitos enquanto se providencia sangue.

Em seguida, vem a enfermeira trazendo a notícia fatal: não há sangue disponível. A equipe médica se desespera e grita:

<
11
jul2010

Abracadabra da Fé

Mesmo antes de conhecer meu Senhor, já desfrutava do poder de Seu Nome. Lembro, na juventude, quando tinha de encarar o rigor das correções do papai. Dizia para mim mesmo: Deus é Grande, o Senhor Jesus Cristo me ajuda. Essa frase-oração tem sido meu escudo diante dos perigos e desafios da vida. Nunca falhou.

Mais tarde, o conhecimento bíblico veio confirmar sua eficácia. Portanto, sugiro a todos que crêem, testar esse “abracadabra da fé”.

<
30
mai2010

Prova da Fé

blog30052010

<
10
mai2010

Por que ir à Igreja?

<
28
abr2010

Engolindo Sapo

1

“O que é andar no espírito?” Perguntou ela. Tratava-se de uma jovem que havia acabado de chegar à igreja e que ainda não estava familiarizada com algumas expressões. Então, o pastor lhe respondeu: “É estar no espírito da fé.” Ela balançou a cabeça, fazendo-o acreditar que havia entendido a sua simples e, ao mesmo tempo, difícil explicação. Ainda confusa, foi para casa e orou, mas nada aconteceu.

Um dia, uma colega de trabalho mentiu a seu respeito e a deixou em apuros com a gerência. Ela ficou tão frustrada que pegou seus pertences e, sem pedir permissão a sua chefe, simplesmente foi para casa mais cedo. Ainda no ônibus, chorava e se perguntava por que Deus havia permitido que tudo aquilo lhe acontecesse; afinal de contas, estava sendo fiel a Ele nos últimos dois meses, que foi quando se convertera. Tudo o que conseguia ouvir em seu coração era “Ande em espírito…”

“Mas, Senhor, como posso andar em espírito se eu não sei o que isso significa?” Foi aí que, sem palavra alguma, Deus falou-lhe com clareza. Ela precisava andar em espírito quando a caminhada fosse difícil, ou seja, tinha que desagradar a sua carne e obedecer à voz da fé. Então, ela desceu do ônibus, voltou para o trabalho e pediu desculpas a sua chefe pelo mau comportamento, que ficou impressionada com sua atitude e resolveu desconsiderar todas as mentiras. Ela não apenas mostrou a sua chefe quem realmente era como também foi promovida, tornando-se gerente.

Isso é o que acontece todos os dias com pessoas que “andam em espírito”. Problemas vêm para todas nós, mas se não tivermos o hábito de usar a nossa fé para combatê-los, usaremos as nossas emoções que sempre causam problemas ainda maiores. Por exemplo, quando o marido diz algo que você não gosta e você responde do mesmo jeito, dando início a uma briga, ou quando você descobre que alguém fez uma fofoca a seu respeito e, sem pensar duas vezes, você decide tirar satisfação com todas as pessoas envolvidas multiplicando a fofoca ainda mais. Ou então, quando você faz um escândalo em público por causa de um péssimo atendimento ao consumidor.

Andar em espírito é um compromisso diário. Quando estamos no espírito, agimos de maneira diferente das outras pessoas, como se fôssemos intocáveis e muito superiores para, nos envolvermos com as coisinhas desse mundo. Aprendemos a engolir alguns sapos e a ignorar determinadas coisas e seguir em frente.

Pessoas que andam em espírito estão sempre no controle de suas emoções. Aquelas que estão no espírito também andam em espírito. Por isso, se você está no espírito, ande em espírito.

Cristiane Cardoso

<
19
mar2010

Fé + Amor = Fidelidade

<
2
fev2010

Carta de um filho na fé

Oi bispo,

Tudo bem com o senhor?

Fiquei muitissimo feliz de o senhor me permitir lhe escrever. Mas, eu nem sei o que escrever. Vem um monte de coisas na cabeça.

Escutei a reunião do senhor, de domingo, e me emocionei muito. É isso que acredito da Igreja Universal, uma fé sem igual e um amor inexistente neste mundo.

Quando eu era pequeno, o meu pai saiu de casa, como o senhor sabe, e nossa vida virou uma desgraça em tudo. Ninguém nos ajudou. Tivemos poucos, muito poucos, que até tentaram, mas não tinham condições, não tinham amor, não tinham paciência, não tinham Deus.

Ninguém conseguia nos ajudar. Procuramos ajuda de muitos: igrejas, espiritualistas, familiares, até no cemitério ia com minha mãe acender vela para o meu avô falecido.

As coisas só ficavam pior e aí que não tinha mesmo ninguém para nos ajudar. Todo mundo tem seus problemas e não querem saber do problema dos outros.

Foi então que fomos à Igreja Universal, em Pinheiros (São Paulo) e ali havia pastores que tinham paciência para nos ouvir e, o melhor de tudo, FÉ para lutar por nós. Foi através dessa fé que conheci o amor de Deus e o ódio do diabo.

Ao ouvir a oração do senhor em relação a humilhações e dor que o senhor e o povo passaram/passam, e lembrar de tudo que o senhor enfrentou de perseguições, desafios, e ainda mais ouvir o senhor dizer que não sabe o que fazer mais e até pedir que Deus tire a vida do senhor como se fosse um favor ao senhor, ah não bispo, isso não pode acontecer!

Se o senhor não sabe o que fazer, imagine eu? Eu sei que Deus dá direção para o senhor e todos nós precisamos do senhor. Claro que precisamos de Deus, mas só o senhor, através da Igreja Universal, nos leva a Deus. Não existe (que eu conheça) outra obra que nos leve a Deus.

Quando falo com minha mãe ou minhas irmãs (ainda falta uma tomar jeito), eu vejo o que o senhor fez por nós: nos levou a Deus!

Somente pelo fato de ter nos ajudado, já considero o senhor vencedor e perfeito.

Bispo, existem outras milhões de pessoas, como eu e minha família, que precisam do senhor para guiá-las ao Senhor Jesus!

Obrigado por, mesmo em meio a dificuldades, perseguições e calúnias, ter nos ajudado.

Oro sempre por toda a família do senhor: dona Ester, bp. Renato, dona Cristiane, bp Julio, dona Viviane, o Moisés. Só as vezes eu esqueço de mencionar o neto do senhor (rs). Assim, eu sei que pode acontecer de tudo no mundo, mas existe um homem de Deus.

Aqui, o trabalho vai seguindo. São muitas coisas para aprender. O que falta de experiência, a gente leva na fé e na misericordia de Deus até aprender, não é? E Deus tem abençoado a nossa vontade de ver as pessoas serem salvas, trazendo mais e mais pessoas.

Em breve, teremos mais uma igreja aberta. Falta detalhes.

Aprendi muito com o bp Renato e o bp Julio (e ainda aprendo, pois sempre me mandam as direções) e com o bp Pedro, que está agora na Inglaterra. As reuniões dele são muito legais. Até esquiar na neve ele me ensinou, é mole? Só na IURD.

Fica com Jesus, bispo, e um forte abraço meu.

Nós amamos Jesus e o senhor!

Guilherme, da Irlanda

<
21
jan2010

Fé Arrojada

alto

A fé agradável a Deus é arrojada, mas jamais arrogante. Antes, tem como ingredientes a obediência e a humildade. Abraão foi o exemplo de fé.  Mas sua fé o justificou devido a sua obediência à Palavra Divina. Só os obedientes são humildes e os humildes são obedientes. Conclui-se, então, que a fé sobrenatural, inteligente, prática e que produz benefícios é acompanhada pela humildade.

Ai está a enorme diferença entre os reis Saul e Davi. Saul não foi humilde para obedecer a Deus. Sua desobediência custou-lhe a vida. No momento em que se viu apertado por uma situação de vida ou morte, preferiu se lançar sobre sua espada ao invés de buscar a compaixão Divina.  O mesmo aconteceu na zona sul do Rio de Janeiro. Um chefe de família, apertado pela situação econômica e não suportando a humilhação diante de seu círculo social, matou a mulher e duas filhas adolescentes e, em seguida, suicidou-se.

Davi era convicto que, por mais sujo e miserável que fosse, ainda assim poderia contar com a compaixão de Deus. Sua fé arrojada, mas humilde, o salvou.

A verdadeira humildade, a humildade de espírito, mantém aberta a porta de acesso ao Trono do Altíssimo.

Por conta disso, Ele promete: “Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos.” (Isaías 57.15)

<
5
jan2010

A 4ª arma do diabo

O diabo tem três armas para acabar com o homem e a mulher de Deus que estão ou querem ir para o altar. Porém, há mais uma que é fatal, e se o homem e a mulher de Deus não vigiarem, cairão por ela.

1. A primeira arma do diabo é colocar mulheres no caminho do homem de Deus, e homens no caminho da mulher de Deus. O diabo faz isso para enfraquecer o homem ou a mulher de Deus.
2. A segunda arma usada pelo diabo pode até mesmo parecer uma benção de Deus, que é a prosperidade. O diabo faz isso para que a pessoa prospere e perca o brilho pela obra de Deus no altar, pois ele sabe que se aquela pessoa chegar ao altar ela irá arrebentar. Obs.: Temos que ter uma vida abençoada antes de ir para o altar sim, porém, sem perder o foco do que queremos, que é salvar almas.
3. A terceira arma é o orgulho, pois o diabo consegue cegar a pessoa, fazendo com que ela não perceba que é orgulhosa, pois um orgulhoso, na maioria das vezes, não sabe que é orgulhoso.
Agora vamos a nossa história para você descobrir qual é a 4ª arma usada pelo diabo para destruir os que fazem a obra de Deus.

Havia um pastor em uma igreja que tinha sucesso em tudo o que fazia. Tinha comunhão com Deus e andava em santidade, orando, jejuando e lendo a Bíblia. Aonde ele ia, desenvolvia o trabalho. E mais, muitas pessoas se convertiam, pois ali havia curas, milagres, etc.

O diabo, vendo isso, fez uma reunião no inferno e enviou o primeiro demônio, a Pomba-girada. E ela falou para o pastor: Eu vou te derrubar!

O pastor logo amarrou o que o demônio falou, orou, jejuou, leu a Bíblia, fortaleceu o seu casamento, e ela foi embora.

O diabo convocou mais uma reunião e resolveu mandar o Oxuavareza para encher os olhos do pastor de ambição material. Novamente, o pastor orou, jejuou, leu a Bíblia, sacrificou tudo o que tinha e o diabo caiu por terra.

Revoltado, o diabo enviou Oxuorgulho para encher o coração do pastor de orgulho próprio. Mas o pastor orou, jejuou, leu a Bíblia, e se humilhou diante de Deus. E, mais uma vez, o diabo caiu por terra.

O diabo viu que todas as suas tentativas tinham sido frustradas. Irado, resolveu mandar aqueles três demônios ficarem na igreja daquele pastor para ver onde ele errava. E para lá eles foram, só estudando e marcando os passos dele.

Um dia, os três demônios, ainda sem pegar nada que pudessem usar contra o pastor, viram outro demônio passar por aquela igreja. Vinha ele lá de longe, devagar, usando bengala, com uma aparência cansada. E os três demônios começaram a zombar dele. “Seu velho cansado, o que está fazendo por aqui?” E então perguntaram o nome dele.

Ele olhou de lado, abriu um sorriso lateral sarcástico e disse: “Meu nome? Eu sou o OXUTEMPO. E vocês, o que fazem por aqui?”

E os outros demônios lhe contaram sua missão e como tinham fracassado até agora. Daí, ele disse aos três, “Esperem que eu vou dar ordem quando vocês devem agir.” E disse mais: “Não tenham pressa, pois eu sei como trabalhar.” E aquele demônio sutilmente começou a agir.

Primeiro, tirou o tempo daquele pastor, enchendo sua agenda de coisas para fazer. Logo, ele não tinha mais tempo para jejuar, e enfraqueceu. Depois, tirou o tempo daquele pastor para não ler mais a Bíblia, e ele não mais ouviu a voz de Deus. E sem ouvir a voz de Deus, sua comunhão esfriou. Foi aí então que aquele demônio deu a ordem para os outros entrarem em ação. E, assim, aquele pastor que arrebentava, caiu.

O tempo é a 4ª arma usada pelo diabo para esfriar a fé dos que não perseveram. Às vezes, ele nos faz muito atarefados. Outras, ele até causa um falso senso de bem-estar, faz as lutas cessarem durante um tempo para que nós nos acomodemos na fé. E é assim que ele nos derruba.

Lembre-se sempre de onde você veio, de onde você saiu, e do que Deus fez na sua vida para sempre se manter na fé. O vencedor não é o que começa, mas sim o que termina.

Bispo Renato Cardoso

Adaptei esse texto de um email que recebi, de autor desconhecido.


<
11
dez2009

O espírito da palavra

palavra

A palavra tem poder. Quem fala, planta; quem ouve, colhe, diz o dito popular. Mas tanto um quanto o outro colhem frutos da palavra. A falta de percepção disso tem surtido gravíssimos prejuízos, não só aos que falam como aos que acreditam.

Muitas vezes, fala-se por falar. Às vezes, fala-se por conta do egoísmo de não querer ouvir. Outras, joga-se conversa fora para não ficar para trás. De qualquer forma todo blablabla tem seus efeitos para o bem ou para o mal.

A mãe diz para a (o) filha (o): “Você faz isto comigo, seu filho vai fazer pior com você. Os anos passam e chega a vez da filha deparar com situações piores com os seus filhos. E, então, vivencia aquela “praga” da mãe.

Pouca gente sabe que a palavra tem espírito. Se a palavra é má, produz tristeza, dor e morte. Mas, se é boa, traz alegria, saúde e vida.

Jesus usava o poder da palavra para curar os enfermos e libertar os oprimidos, etc. Todo o Seu trabalho se resumia no uso da palavra.

“O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que Me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-Me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos…” (Lucas 4.18)

Mas também usou a palavra para matar uma figueira. Com isso, deu sinal do poder da palavra também para o mal.

Os que trabalham com a mídia conhecem bem este poder. Daí a razão por que muitos me têm odiado sem me conhecerem. Não me atingem nem me provocam ódio por eu não beber de seus cálices. Mas sinto por aqueles que têm sorvido seus venenos.

Tenha extremo cuidado nas palavras que ouve, porque “o ouvido prova as palavras, como o paladar, a comida”(Jó 34.3)

<
30
nov2009

O Sentido do Sacrifício

1

Estamos vivendo um momento muito forte, no Brasil e  no mundo, com a grande campanha da Fogueira Santa de Israel.
Para quem será meu sacrifício, e qual a minha intenção em apresentá-lo?

A raiz que da origem à palavra sacrifício é, em latim, sacer. Esta raiz tem o sentido de algo que não pode ser tocado. Daí, passou a significar: o que pertence ao mundo do divino.
Sacramentum: no início, juramento prestado a Deus;
Sacrifícium: o que é oferecido a Deus e torna-se sagrado. Ou o próprio ato de oferecimento.
O estudo das antigas civilizações revela que todos os povos ofereciam sacrifícios a Deus ou a seus falsos deuses. Em Roma, na África, na Índia, etc. Na Bíblia, o sacrifício aparece logo no início da humanidade: “Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. Agradou-se o SENHOR de Abel e de sua oferta.”(Gênesis 4:4)

Em todos os grandes acontecimentos, os homens ofereciam sacrifícios a Deus:
Noé (Gênesis 8:20); Abraão (Gênesis 22:1); Moisés: (Êxodo 29:38 e Levítico).

O sacrifício é algo que faz parte da natureza humana. As pessoas fazem sacrifícios o tempo todo, quer para si mesmas ou para seus deuses, o que devemos observar é para quem estamos apresentando o nosso perfeito sacrifício e qual a nossa real intenção em apresentá-lo. É evidente que o sacrifício traz a resposta imediata, mas temos que entender que o sacrifício não pode ser apenas um meio de livramento ou uma petição para uma determinada situação, e sim também uma forma de obedecermos a voz de Deus e, sobretudo, adorarmos mediante a fé sacrifical que exige renúncia, e que estejamos desprovidos e despidos de toda condição humana.

Falar sobre sacrifício não é para qualquer um. A palavra sacrifício tem um peso muito grande e até mesmo assustador. Muitos líderes de igrejas levam o povo a sacrificar, através de campanhas e propósitos, mas sequer tocam na palavra sacrifício, pois muitos deles têm medo de perder seus adeptos dizimistas e ofertantes. Por isso, pregam contra a própria cruz, que é o maior significado do verdadeiro sacrifício incondicional e desinteressado, sabendo que atrairão para si os leigos desinformados, fracos e dependentes sempre de terceiros. Admiro a Igreja Universal e seu líder, bispo Edir Macedo, e faço parte deste grande exército universal, pois todos que o fazem têm experiências a respeito do sacrifício.

Todas as pessoas que chegaram à igreja nessa época, com a alma saturada, cheia de sofrimento e dor, lançaram-se de cabeça, isso porque estavam numa situação de vida ou morte e, porque não dizer, ao fio da espada, apresentaram a Deus seus sacrifícios seguidos de petição, adoração, gratidão por terem a certeza de que seriam atendidas. E o resultado a esse ato é óbvio: tiveram suas necessidades atendidas, mas, infelizmente, hoje, por estarem supridas, não enxergam a necessidade de sacrificar.

“A nossa alma está saturada do escárnio dos que estão à sua vontade e do desprezo dos soberbos.” (Salmos 123:4)

A cada campanha de fé temos amadurecido no que significa para nós o sacrifício, assim como para cada homem do passado houve um significado diferente. Para uns, adoração, para outros, petição, para outros, agradecimento e para Abraão, obediência a Deus.

Devemos fazer uma pergunta a nós mesmos: “Para quem estou apresentando meu sacrifício? Para homens, para a instituição Igreja Universal do Reino de Deus ou verdadeiramente para Deus?”

Em suma: o sacrifício está no DNA daqueles que são nascidos de Deus.

“Quando oferecerdes sacrifício pacífico ao SENHOR, oferecê-lo-eis para que sejais aceitos.” (Levítico 19:5)

“Quando alguém oferecer sacrifício pacífico ao SENHOR, quer em cumprimento de voto ou como oferta voluntária, do gado ou do rebanho, o animal deve ser sem defeito para ser aceitável. Nele, não haverá defeito nenhum.”(Levítico 22:21)

“Então, haverá um lugar que escolherá o SENHOR, vosso Deus, para ali fazer habitar o seu nome; a esse lugar fareis chegar tudo o que vos ordeno: os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta das vossas mãos, e toda escolha dos vossos votos feitos ao SENHOR” (Deuteronômio 12:11)
A igreja do Senhor Jesus, infelizmente, está rachada ao meio. De um lado, um povo fraco e, do outro, um povo forte; de um lado, um povo vencedor e, do outro, um povo vencido. E isso porque de um lado temos um povo puro, mas covarde ao sacrifício e, do outro, um povo impuro, cheio de disposição para sacrificar. Quem dera tivéssemos um povo puro e cheio de disposição para sacrificar. Os testemunhos seriam inevitáveis.
“Todas as coisas são puras para os puros. Todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas.” (Tito 1:15)

DIA 13 DE DEZEMBRO É O DIA DE ATENDERMOS AO QUE DEUS ESTÁ NOS PEDINDO EM TODOS OS ALTARES DA IGREJA UNIVERSAL, NO BRASIL E NO MUNDO.

NA FÉ,

Obreiro Marcos
Ribeirão Preto (SP)

<
Pesquise outros posts
Palavra Amiga
Idiomas
Pastor Online
Clique em curtir e seja um Fã no Facebook
Assine nossa newsletter!
Cadastre-se e receba diariamente todas as novidades do blog:
* obrigatório
Siga-me no Twitter
Canais Oficiais
Ganhe almas! Divulgue no seu site
 
O pão nosso para 365 dias
arcacenter.com.br
www.bispomacedo.com.br - © Copyright 2015 - Blog do Bispo Edir Macedo