Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade.

Blog

Com o alto crescimento do uso de tatuagens por pessoas de todas as idades, surgem todos os dias perguntas provenientes de certos cristãos sobre ser ou não pecado fazer tatuagens.

Aparentemente, a indagação nasce sob o argumento de “não querer errar” ou “se manter dentro da Vontade de Deus”. Normalmente, pessoas que vêm com perguntas tipo “pode ou não pode” passam a impressão de que o Evangelho é um manual de regras que precisa ser consultado ao pé da letra. Se ao examinarem não estiver escrito especificamente o que querem saber, respiram aliviadas para fazer aquilo que sua carne pede.

Mas, afinal, o que a Bíblia diz sobre tatuagens?

Pelos mortos não dareis golpes na vossa carne; nem fareis marca alguma sobre vós. Eu sou o Senhor. Levítico 19.28

Entenda que a palavra marca é também compreendida como tatuagem. Segundo os estudiosos, era comum aos povos pagãos se tatuarem em rituais aos mortos, aos deuses ou para distinguir famílias e certas atividades profissionais.

Na ocasião em que os israelitas receberam esse ensinamento, eles haviam acabado de ser libertos da escravidão no Egito. Mas, como ficaram por várias gerações sendo escravos, perderam praticamente a identidade, por isso Deus deu instruções claras para que eles O conhecessem e adquirissem Suas características. Dessa forma, se diferenciariam de todos os demais povos.

Ao pesquisar sobre o assunto, encontrei as seguintes informações:

Tatuagens feitas nas mãos tinham o objetivo de louvar divindades para que assim a pessoa recebesse força.

Tatuagens feitas no rosto eram uma prática de luto de vários povos. Isso nasceu da adoração ao deus baal, quando “el” cananeu, nomeado como seu pai, ressurgiu dos mortos. Seus seguidores o cultuavam com cortes no corpo e no rosto e aplicavam essa prática também para reverenciar seus familiares mortos. Nesse culto idólatra havia danças desvairadas, prostituição, sexo grupal, automutilação, magias e até sacrifício de crianças.

Nessa época, as mulheres que viviam na prostituição mostravam sua devoção aos ídolos com tatuagens pelo corpo. As sacerdotisas tatuavam especialmente a nuca. Essas marcas serviam como um sinal para que os homens as reconhecessem e buscassem seus serviços.

Fácil compreender o motivo de o Deus Soberano não querer Seu povo misturado com essas práticas, não é mesmo?

Os tempos mudaram e a justificativa para os defensores das tatuagens é que hoje elas são feitas por outras razões, como declarações de amor a pessoas e ao esporte preferido, vaidade, identificação com o grupo a que pertencem, moda etc., mas as raízes desse hábito continuam as mesmas.

Mas, será que o Altíssimo mudou Sua forma de pensar a respeito dessa prática? E o fato de essa advertência não se repetir tão claramente no Novo Testamento seria Sua liberação?

Imagine você construir uma bela e caríssima casa e, ao emprestá-la a alguém para morar, essa pessoa, não satisfeita com o acabamento, picha as paredes e os muros! Será que você, sendo o dono da casa, ficaria satisfeito? Certamente não.

Da mesma forma a vida, que é dom de Deus, e o corpo, que é o instrumento usado pela vida neste mundo, serão um dia cobrados de cada um de nós. Isto é, o Altíssimo criou o ser humano com a intenção de Se relacionar com ele a ponto de desejar que o nosso corpo se tornasse Seu Templo. Por isso, não me sinto à vontade para, de alguma forma, deteriorar, marcar ou corromper o que foi criado para ser morada Divina! Como o apóstolo Paulo diz, a marca que devemos ter em nosso corpo é a do Senhor Jesus (Gálatas 6.17). A fé genuína é única e a maior marca que precisamos ter.

Uma maneira fácil de acabar com dúvidas de ordem espiritual como essa é submeter toda nossa conduta, desejos e sonhos a este ensinamento:

Portanto, quer comais quer bebais, ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus. 1 Coríntios 10.31

Quer dizer, todas as nossas ações, sejam grandes, sejam insignificantes, devem estar imbuídas da intenção de glorificá-lO e nunca ser fruto de uma vaidade pessoal.

Os modismos passam, a cabeça muda, as pessoas amadas se vão, o desenho que você hoje acha lindo amanhã achará cafonérrimo; o bíceps hoje inflado para sobressaltar uma tatuagem amanhã estará murcho e o desenho quase lá na axila, rs…

Enfim, o que vale mesmo é manter a consciência em paz por ter a certeza de que agradou ao Senhor Deus com temor e obediência à Sua Vontade.

Mas, se você chegou ao Senhor Jesus usando tatuagens, Ele não o rejeitará e muito menos o condenará por isso. Ninguém também deve discriminá-lo pelo seu passado ou suas decisões. No entanto, que a partir de agora você faça escolhas pautadas na Palavra de Deus e O glorifique com um corpo santo e puro, digno de Sua morada.

Núbia Siqueira
Colaborou: Núbia Siqueira

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

Você sabia que também pode receber as mensagens do meu blog por e-mail? Preencha abaixo: