Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade.

Blog

“Sustentar” é um verbo com inúmeros significados. Alguns deles, segundo o Dicionário Houaiss: carregar; manter o equilíbrio de algo ou alguém; evitar a queda; dar o necessário à vida; manter elevado, digno, honrado; instruir, edificar; manter firme, sem fraquejar; fortalecer, encorajar, impedir a ruína, auxiliar, proteger, socorrer, defender…

Naqueles momentos em que você se sente exausto, com tantos problemas e injustiças tirando a sua paz, tudo o que você quer é alguém que possa sustentá-lo no meio da tempestade. Alguém que o ajude, proteja, defenda, encoraje, fortaleça e o mantenha honrado. Precisamos de Alguém que nos ajude a manter o equilíbrio e evite nossa queda.

Quando você reconhece sua fragilidade, reconhece que a sua natureza o leva a errar, a cair com facilidade, sabe que não pode se sustentar sozinho. Para nos mantermos firmes é necessário que sejamos sustentados por Quem é mais forte do que nós. Deus promete em Sua Palavra que Ele mesmo nos sustentaria. Nenhum ser humano seria capaz de nos dar tamanha segurança.

Lendo a Bíblia Almeida Corrigida Fiel, a tradução para o português que está mais próxima do original, entendi o que é preciso para alcançar esse sustento:

Não temas, porque Eu sou contigo; não te assombres, porque Eu sou teu Deus; Eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da Minha justiça. Isaías 41.10

Olha só com o que Deus promete nos sustentar! A tradução Fiel me fez entender a profundidade desse versículo. Na versão bíblica tradicional está “e te sustento com Minha destra fiel”. Pense bem, “destra fiel” é completamente diferente de “destra da Minha justiça”. Na “destra fiel” você conta com a fidelidade de Deus e fica lá, parado, esperando ser sustentado, sem precisar fazer nada, afinal de contas, Deus é fiel. Mas a “destra da Minha justiça” exige que andemos na justiça dEle.

O primeiro passo é ser suficientemente humilde para assumir a responsabilidade sobre seus erros. Enquanto você continuar culpando os outros pelo que lhe acontece, não vai conseguir enxergar que tem andado na injustiça e, consequentemente, não vai mudar de rumo e andar na justiça. E, sem andar na justiça, como exigir a Justiça de Deus?

A Justiça de Deus só é uma boa coisa para quem anda na justiça. Quem seria louco de pedir a Justiça de Deus e continuar andando na injustiça? Se um ladrão vai até o juiz pedir justiça, o que acontece com ele? A Justiça de Deus só pode sustentar o justo. Porém, ao contrário do que muitos pensam, o justo não é necessariamente o bonzinho, muito menos o religioso.

Alguém que cometeu crimes e erros graves a vida inteira e que, com sinceridade, decide fazer um pacto com Deus e dar as costas para a vida errada, passando a viver de acordo com o que Deus orienta, torna-se justo diante dEle. Já o religioso, na maioria das vezes, é quem mais vive na injustiça. Se acha mais certo que os outros, enche a boca para dizer que é dizimista, ofertante, ora, jejua, lê a Bíblia, vai à igreja, evangeliza, faz isso e aquilo…mas também enche a boca para falar mal dos outros, olha com maus olhos, guarda mágoa e se deixa guiar pelo coração. Esse anda na injustiça e — pior — não consegue enxergar isso. Espera que a destra da Justiça de Deus o sustente, mas não faz ideia do que está pedindo. Para esses, resta seguir o conselho da Palavra de Deus, enquanto há tempo:

Rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao Senhor vosso Deus; porque Ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e se arrepende do mal. Joel 2.13

A fé não tem a ver com rituais religiosos, com mudança de hábitos ou coisas que possamos mostrar do lado de fora. A fé tem a ver com nossos pensamentos e reações. A fé é definida pela obediência à Palavra de Deus.

Nossos pensamentos, ações e reações devem estar de acordo com o que Deus nos diz que devem ser. Se Ele manda perdoar, perdoamos. Se manda ter bons olhos, nos esforçamos para ter bons olhos. Se Ele manda sacrificar nossa vontade, sacrificamos nossa vontade. Se Ele manda rasgar nosso coração, e não as nossas vestes, deixamos de nos preocupar com o que estamos fazendo do lado de fora para dar atenção a quem somos do lado de dentro. Um olhar honesto para dentro de nós e uma mudança sincera no rumo de nossos pensamentos e de nossa alma.

É sacrifício. Muito mais sacrifício do que colocar dinheiro no Altar. Dói, pois nos colocamos em um lugar muito desconfortável em que assumimos nossa fragilidade, nossa podridão, nossas fraquezas e nossa injustiça e buscamos a misericórdia de Deus e Sua benignidade. Dói admitir que não somos quem gostaríamos de ser, mas é a única maneira de a destra da Sua Justiça nos sustentar em vez de nos destruir.

Sem aquilo que nos sustenta — a destra da Justiça de Deus — não há equilíbrio, não há como manter a vida, a pessoa enfraquece, se fragiliza ainda mais e a queda é inevitável. Sem sustentação, nada se mantém de pé.

Vanessa Lampert
Colaborou: Vanessa Lampert

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

Você sabia que também pode receber as mensagens do meu blog por e-mail? Preencha abaixo: