Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade.

Blog

Assisti ao filme Os Dez Mandamentos e não poderia deixar de dar minha opinião. Primeiro, a edição foi excelente. Eu temia que pudesse ficar com cara de trailer e perder partes importantes, mas não foi o que aconteceu. A direção de conteúdo privilegiou a narrativa bíblica, o que faz desse o filme mais fiel ao original de todos os que já assisti sobre Moisés. Aliás, se você quiser aproveitar melhor o filme, aconselho que esqueça a novela, os personagens secundários (e alguns principais) e as tramas paralelas e tente assistir como se não tivesse visto nenhum daqueles personagens ainda. Entenda cada um deles do modo como o filme os apresenta e não da forma como a novela retratou. A experiência será bem mais completa.

Acho que uma das coisas mais legais dessa versão de Os Dez Mandamentos (tanto o filme quanto a novela) é que é a primeira vez que eu vejo um Moisés coerente com a descrição que a Bíblia dá sobre ele. Um Moisés mais contido, o homem mais manso que havia na terra.

Sempre que lia, ficava imaginando que tipo de líder ele seria. Que terreno fértil e rico para a imaginação de um escritor é um líder manso, educado e civilizado à frente de um povo rebelde, cabeça-dura e um tanto selvagem. As vezes em que Moisés perde a paciência estão muito acima do nível de tolerância que costumamos ter. Em outras palavras, já teríamos arrancado a cabeça de todo mundo e Moisés ainda estava começando a se irritar.

A produção da Record conseguiu levar para a tela exatamente o que eu imaginei. E a interpretação de Guilherme Winter deu o tom exato do Moisés bíblico. Os personagens, aliás, foram um dos (muitos) pontos altos da trama.

Antes de pensar em ser escritora, eu queria ser atriz. Estudei interpretação e uma das similaridades que vejo entre o trabalho do escritor e o do ator é a construção de personagem, que começa por dentro. Você entende a mente do personagem, a maneira de pensar, as lentes que usa para ver o mundo. Daí, parte para suas ações e palavras. Muito do mundo do personagem é interior e nunca será visto pelo público ou pelos leitores, mas é o que faz diferença na credibilidade que ele terá. E isso a gente percebe nos personagens de Os Dez Mandamentos. É isso que dá profundidade às cenas.

O filme é, basicamente, a história da libertação dos hebreus contada ao povo por Josué (com algumas narrações em off que ajudam a avançar a história). Assim, o foco se mantém nos principais acontecimentos, que são mostrados em uma sequência bem montada.

Fora a vontade de que o filme não acabasse nunca, a principal razão de eu realmente achar que poderia ter uns 30 minutos a mais era para mostrar melhor as pragas, pois senti falta do link que a novela fez entre cada uma e as crenças egípcias, mostrando claramente que Deus estava esmigalhando uma a uma das mitologias daquele povo. Essa explicação ficou restrita apenas à das trevas espessas. Mesmo assim, a apresentação das pragas teve um bom ritmo. Todas foram mostradas, sem pular nenhuma (como aconteceu no filme de Cecil DeMille) e sem o modo videoclipe (como aconteceu na animação Príncipe do Egito).

No entanto, até pelo filme ter apenas duas horas, não há enrolação. As cenas são ágeis e os acontecimentos seguem a Bíblia (o mínimo que se espera de um filme baseado em um livro é fidelidade ao original, apesar das recentes adaptações bíblicas de Hollywood se esquecerem desse “detalhe”). E, como na novela, os diálogos foram muito bem escolhidos. Nas palavras de Anrão ao filho, nas palavras de Moisés ao povo, a cena do clamor… é fácil perceber o quanto os seres humanos são parecidos, não importando a época. Os conflitos humanos são os mesmos há milhares de anos.

A teimosia, o medo, o orgulho, as dúvidas, a coragem, o amor, a fé, a gratidão, a fidelidade…o que temos de mais forte em nós, tanto para o bem quanto para o mal, acompanha os humanos desde que vivemos neste mundo. E, para aprender a lidar com todo esse pacote, eliminando o que é ruim e fortalecendo o que é bom, precisamos da disciplina representada pelos Dez Mandamentos, pela Palavra dada por Deus.

Não se trata de um conjunto de regras moralistas para aplacar a ira de um deus malvado (como muitos mal informados pensam), mas, sim, princípios éticos capazes de transformar um povo semisselvagem em uma nação estruturada e correta. Um presente de um Deus misericordioso, para dar a possibilidade de futuro que eles jamais teriam sem legislação, disciplina e instrução.

Da mesma forma, com a mente escravizada por uma mídia corrupta (o quarto poder, que é o verdadeiro Faraó deste planeta), o povo hoje sofre, mergulhado na injustiça que ele mesmo ajuda a criar quando acredita naquilo que ouve.

A libertação é apenas o primeiro passo. A jornada de Moisés e dos hebreus foi longa e complicada porque a escravidão física é muito mais fácil de resolver do que a escravidão mental. E a mente daquele povo ainda estava no Egito. A escolha que temos de fazer hoje não é diferente da escolha do passado. É necessário romper com os conceitos antigos, com a velha maneira de pensar, para seguir em frente em uma nova vida. Caso contrário, estamos condenados à morte. Não à morte do corpo, mas a viver como os zumbis deste mundo, guiados pelas circunstâncias, sem razão para viver, sem o foco em nada maior do que eles mesmos.

Os Dez Mandamentos é um filme atual. Nunca houve um tempo em que tantos reclamadores, murmuradores, críticos vazios e irresponsáveis preguiçosos tiveram voz e espaço nas redes sociais e na mídia formal, apontando dedos e fazendo análises rasas sobre questões que desconhecem.

O filme não fala de religião. Fala dessa escolha entre nos conformar com o que nos empurram diariamente ou fazer o sacrifício necessário para mudar. Abrir mão da mentalidade de escravo não é fácil, principalmente porque nos obriga a assumir responsabilidade por nossas escolhas. E essa é a essência de Os Dez Mandamentos: a responsabilidade pessoal.

O responsável pelas pragas não cessarem foi o Faraó inflexível. O responsável pelo sofrimento do povo por tanto tempo foi o próprio povo que se afastou e deixou de clamar ao Único que poderia livrá-lo. A responsabilidade de proteger sua casa com o sangue do cordeiro era de cada um. A responsabilidade de estender o cajado para abrir o mar foi de Moisés. A responsabilidade de se manter firme no deserto era do povo, ao aprender a confiar e manter a certeza de que Deus providenciaria tudo. Deus manteve Sua palavra até o fim, mesmo diante de um povo que não queria fazer sua parte. Que insistia em jogar sobre os outros a responsabilidade que era sua, reclamando, murmurando e desobedecendo continuamente.

A obediência à Palavra que receberam era a prova da confiança de que Deus faria a Sua parte na Aliança. Viver nessa fé era responsabilidade pessoal e intransferível de cada hebreu que saiu do Egito. Era a única garantia de liberdade e a única garantia de vitória sobre os inimigos. Por isso, a história foi registrada. Por isso, ela deveria — e deve — ser contada e compreendida.

Vanessa Lampert
Colaborou: Vanessa Lampert

Participe! Deixe seu comentário sobre este post

Você sabia que também pode receber as mensagens do meu blog por e-mail? Preencha abaixo: